blockchainsupertrader.com by Gerson Ravv

Tudo sobre TI-trabalho-dinheiro-mercado de trabalho-sistema-operacionais-computação e muito mais!

Hot

Post Top Ad

Post Top Ad

sábado, 18 de agosto de 2018

Os incríveis empreendedores digitais e suas groselhas virtuais

17:26 14

Uma visão sobre a geração ingênua que sofre de complexo de Bill Gates e pensam que serão empreendedores digitais milionários


Já estagiei numa pequena "fábrica de software" e fiquei tempo suficiente para não querer seguir carreira como desenvolvedor apesar do tão falado status... 

Era uma micro empresa que já estava quase ficando média, infelizmente era uma daquelas empresas que faziam o mix de agência de publicidade com desenvolvimento de softwares...

95% dos trabalhos lá eram para outras empresas: desenvolvimento de pequenas aplicações para banco de dados, automação comercial, programas para sistemas industriais de controle de tempo e de máquinas, plugins para sites, sites empresariais simples, aplicativos simples voltados mais para a divulgação dos serviços da empresa, aplicativos free ou de coleta de dados através de formulários discretamente inseridos em páginas da web ou aplicativos free, etc.

De vez em quando a agência de publicidade anexa à empresa empurrava alguns malucos para a gente do desenvolvimento: só os panguados com complexo de Bill Gates...

Era cada maluco com umas ideias fracas que eu tinha vontade de pular da janela do segundo andar do pequeno prédio de 4 andares da empresa...

Se não me engano era a época de ouro das plataformas virtuais de venda de infoprodutos.

Certo dia empurram um cara para conversar conosco: o sujeito parecia o Pit Bicha de bigode, óculos escuro e cabelo chamél...

Entrou na sala com uma volumosa pasta de onde sacou um notebook e já foi ligando seu Windows e nos apresentando sua ideia no formato de slides do Power Point...

Já foi falando que era "algo muito simples", sua ideia consistia em lançar um site em que os usuários registrados pagariam para enviar seus info-cursos e ministrar suas aulas virtuais ao vivo para alunos pagantes mensalistas. Uau! Muito simples mesmo né! Pelo que sei já existe hoje em dia a tal plataforma e não, não é do nosso amigo Pit!

Como expliquei no começo do texto, nossa empresa  fazia apenas serviços triviais, simples, a parte chata do mundo da programação que ninguém fala ou divulga. 

Dia típico de um desenvolvedor...


A midia divulga muito essa ideia errada de que a vida de programador é do nerd estereotipado sempre criando programas fantásticos e revolucionários, coloridos, games inovadores etc: não meus amigos, a maior parte do tempo um programador ou desenvolvedor se debruça em telas chatas pretas, com um cursor piscando e tentando resolver um bug terrível no programa chatíssimo que regula os micro segundos que uma pinça mecânica leva para pegar uma peça na esteira da fábrica de chuveiro ou de chocolate...

Dissemos para nosso colega empreendedor digital  que até que seria possível desenvolver a tal plataforma, porém, o investimento seria muito alto por conta da infra estrutura que seria necessária para os serviços de streaming, servidores dedicados, links poderosos, time de suporte e desenvolvimento 24 horas por dia e infelizmente, nossa empresa tinha como foco projetos mais simples... 

Mesmo assim Pit Bicha queria saber o valor que gastaria mais ou menos por baixo: um colega meu desenvolvedor sênior (eu era apenas um estagiário simplório) deu o orçamento.

Pit Bicha arriscou um palpite "Quanto? Uns 8 mil reais por ai?" e meu amigo não aguentando segurar uma risada de escárnio lascou nos ouvidos do sonhador: "Quê? 8 K não paga nem  a página Home do site! Estamos falando de milhões meu caro!". 

Foi quase triste ver as ilusões do nosso amigo se desfazendo no ar...

Outro maluco que aparecia de 15 em 15 dias por lá era um estudante de Marketing que sempre vinha nos apresentar suas ideias mirabolantes e revolucionárias. Se auto chamava de "Makeline Star" que também seria o nome de sua futura Startup...

Eis algumas de suas ideias: 

*App "BrigaLícia" para reunir vendedores de brigadeiro: um tipo de facebook com cadastro e divulgação de pessoas que faziam e vendiam brigadeiros caseiros, pagariam uma taxa mensal para nosso amigo e esse se responsabilizaria na divulgação massiva dos contatos telefônicos;

*App e site "Recicla-Love": uma ideia maluca que consistia em lançar um site de reciclagem de preservativos usados para motéis: o motel faria o cadastro grátis pelo site ou App e receberia gratuitamente  mensalmente um receptáculo para colher as camisinhas usadas que seriam recolhidas periodicamente e vendidas para "reciclagem", processo que nem nosso amigo Makeline sabia como seria , se era permitido isso ou se alguma empresa fazia isso...

*Site "Bumbum Peludo": site para encontros entre rapazes marcarem encontros em banheiros de Shopping, Metrô para a prática de sodomização segura, o site teria orientações de uma psicologa descolada (prima do Makeline), ensinando que essas práticas vinham da Roma antiga e deveriam ser realizadas  discretamente para não chocar a sociedade... Cobraria uma taxa simbólica e também divulgaria campanhas sobre sexo seguro e AIDS. 

Enfim, tirando essas ideias acima, o Makeline até que tinha umas ideias interessantes de vez em quando e até possíveis de serem implementadas, porém, nosso amigo publicitário em formação nunca tinha um centavo no bolso, nem dinheiro para uma hospedagem básica e um template barato de WordPress ele tinha.  

Problemas, problemas e problemas...



Enfim, nem vou mencionar a enxurrada de piramideiros e estelionatários em geral  que apareciam por lá. Era cada ideia maluca e safada que era inacreditável. 

Eu mesmo tentei lançar alguns aplicativos na Google Store e me lasquei: o G todo poderoso não aprovou nenhum e eu admito: eram todos uns lixos!!!! 

Meses atrás anunciei um aplicativo gratuito da Blogosfera Financeira que iria reunir alguns textos inéditos meus ao mesmo tempo em que divulgaria os links dos parceiros do blog: foi rejeitada na hora pela Store. E até que foi bom: pra quê serviria essa porcaria? Adsense não está dando nada mesmo...

Todo dia sou notificado de violações de políticas nos meus textos, todo dia vejo minhas postagens indo parar nos confins do DB googleano, realmente ultimamente está muito chato agradar o Grande G...

Em breve vou desativar os anúncios aqui do blog e tentar vender algo criado por mim mesmo ou do blog, ainda assim ajudo meus amigos e colegas mantendo os links de seus blogs, produtos, canais e serviços sem cobrar nada deles. Nem posso cobrar pois meus textos assim que eu posto ficam invisíveis para as pesquisas e eu não admito ser controlado por um algoritmo sem cerébro, jamais vou alterar meus textos e assuntos de modo que fiquem completamente ao gosto dos anunciantes bilionários.

Vou vender algo meu somente para pagar a renovação do domínio anualmente e assim ficar um pouco mais animado para postar, agora tenho tempo de sobra, mas em breve vou voltar ao mercado de trabalho e os textos serão mais raros. 

Acredito no que dizia um gerente boi-ola (Charlete), do tempo que eu trampava no fast food: "Com muito dinheiro para investir em publicidade, basta embalar fezes humanas num papel dourado que vai vender como água no calor!". 

Sem dinheiro meu amigo, não adianta nem sonhar... Infelizmente é assim.

Att Gerson Ravv


Humor sério para refletir:





Read More

quinta-feira, 16 de agosto de 2018

As Deusas do Escritório

12:06 24

Uma empresa muito louca com funcionárias mais loucas ainda!


Em uma das diversas empresas em que trabalhei, lembro de uma em que as mulheres ocupavam quase que 100% dos postos de gerência e gestão.

Era uma empresa de processamento de dados e telemarketing, nessa época, eu trabalhava como suporte de campo. 

Eu chegava na empresa, sentava em meu canto que era um posto de atendimento igual os das operadoras de telemarketing, praticamente ficava no meio delas, sentava e ficava esperando a galera vir me chamar para reinstalar algum software, dar manutenção em computadores ou impressoras.

No setor que eu ficava, só trabalhavam mulheres e alguns baitolas, tinha uma gestora e uma supervisora que se chamavam Clarissa e Vanessa respectivamente... 

Na mesa da gestora Clarissa tinha um livro intitulado "A DEUSA DO ESCRITÓRIO"...

Eu já sabia do conteúdo desse livro pois uma tia véia minha já tinha emprestado esse livro besta para minha mãe.

Resumindo para vocês o conteúdo desse livro: toda mulher que trabalha no escritório é uma Deusa que é adorada pelos homens do escritório que secretamente em seus subconscientes masculinos de homem do tempo do neolítico (em que supostamente os humanos e suas sociedades eram matriarcais, ou seja, dominado pelas mulheres e deusas). 

Uma imagem de uma deusa esculpida por homens primitivos


Dizia esse livro que todos os homens desejam servir toda mulher que trampa num escritório e sonham ardentemente em serem escravizados por elas... é uma mistura escrota de feitiçaria, pseudo psicologia com auto ajuda fedida e feminista.

Nos primeiros dias sem muita intimidade e sentando bem lá no fundo da sala eu não percebia costumes grotescos e bizarros que rolavam ali...

No quinto dia de trabalho, o layout da sala foi remanejado e eu fui deslocado para sentar numa PA bem de frente para a mesa da gestora e ao lado da mesa dela a mesa da supervisora...

Já entrando na sala no sexto dia, eis que adentro pela porta e dou bom dia para a Clarissa e a Vanessa e me sento em minha mesa. Assim que sentei o rabho na cadeira escuto: 

"Ei Gerson! Volte aqui! Como assim só "bom dia"??? Você vai ter que aprender muito aqui conosco sobre AS NORMAS exclusivas dessa sala e setor!"

Eu surpreso, levantei e fui até a mesa das minhas chefes. Nisso, elas chamam um baitolinha que sentava ao meu lado e ordenam: "Rafito! Ensina pro Gerson como nós as DEUSAS, DIVAS SUPREMAS dessa sala devem ser tratadas por vocês homens!" 

E o boiolinha muito prestativo me olhando com aquela boca de engolir sucuri me fala com sua voz engasgada e manhosa de rapaz delicado: "Queridinho! Presta atenção meu abôr!"

E eis que o Rafito sai da sala, volta, passa pela porta e ao parar de frente para a mesa da gestora exclama em alto e bom som:

"BOM DIA MINHAS DEUSAS VHAGA-BHUNDHAS!"

E as duas todas sorridentes responderam "Bom dia! Pu-thão!"

Eu fiquei sem entender nada! Não sabia se ria, se chorava, se saia correndo, minha mente ficou bugada pois além de que a cena foi um susto eu ainda estava na primeira semana de trabalho!

O termo "vaga-bhundha" dentro do contexto daquela sala de mulheres trabalhadoras era um termo POSITIVO, que pelo que entendi, significava ser "pegadora", mandona, poderosa, ativa e dona de suas vontades.  Havia competição para ver quem beijava mais pelas escadas da empresa e barzinhos do Centro da Cidade de São Paulo, quem mais fazia sexo casual durante e após o expediente. Eu mesmo flagrei gente afunhanhando nas escadarias escuras do CallCenter.

Esse meu relato é interessante para sociólogos e sexólogos, se possível, gostaria que as mulheres que leem o blog dessem seus pontos de vistas sobre isso que testemunhei. Pode parecer que inventei mas juro por minhas convicções humanistas que é verdade.

Depois desse dia as coisas só foram piorando: mulherada e baitolada só conversavam besteira o dia inteiro! Era incrível a falta de foco daquela gente! O assunto era sexo e sacanagem o turno todo.

Até receita de drink misturado com suco de picah eu ouvi: "Ai menina! Fiz ontem com o do meu marido e com o do meu boy magia para ficar mais consistente, coloquei licor de amarula, mas ficou amarguinho! Meu marido tomou sem saber o que era e adorou! Pode isso! Rsrsrsrs!"

Lembro de uma atendente de telemarketing que tinha uma réplica de microfone misturada com dildo, um pênis-fone ou sei lá que raio era aquilo e de vez em quando fazia entrevistas gravadas com smartphones com a ajuda de algum bichola como câmera man...

Quando ela vinha e colocava aquele bagulho na minha cara simulando uma entrevista eu empurrava pra longe e todos ficavam rindo da minha cara de indignação. Palhaçada!

A cada 15 dias os relatórios do setor só mostravam resultados lixos. A produtividade caia conforme as energias sexuais e putharias desenfreadas aumentavam.

A gestora casada transava com outros gestores ou clientes da empresa, a supervisora com o bombeiro e as atendentes de telemarketing viviam uma surubha eterna com bissexuais e héteros fracassados que trabalhavam lá, e agora PASMEM: tinha uma atendente LINDA nota 9/10 que estava traindo seu marido com UM MORADOR DE RUA VICIADO EM COCAÍNA IGUAL ELA, o tiozinho era uma mistura de Seu Madruga com Marcelo D2, andava descalço pela Praça da República e Largo do Arouche...

A própria entrada da empresa era uma patifaria por si só: moleques de rua, mendigos e noias colocavam colchões e trapos bem na entrada do Hall, na calçda e lá ficavam! Nem se mexiam enquanto a gente passava por cima deles evitando com todo o cuidado encostar neles! 

Eu perguntava para os seguranças da empresa e do  prédio porque não tiravam essa corja de lá e os severinos de terno apenas diziam:

"Tá louco? Se a gente relar a mão em um desses filhos da fruta no outro dia vem reportagem e ativistas encher o saco! Só por olhar feio para um desses safados que estava punhetandho na entrada do Hall meu colega foi demitido! Os donos da empresa já avisaram pra gente não fazer nada com eles, fazer o que né meu?!".

Enfim, era uma loucura aquela empresa. Teve um dia em que uma atendente que sentava ao meu lado, do nada, mas do nada mesmo, me cutucou e perguntou: "Ei! Psiu! Gerson! Você gosta de aranha peluda ou aranha pelada?"

Eu, nerdão demorei para processar a informação e perguntei: "Como assim? Não entendi fulana."

E a maluca encostando mais perto de mim abre a braguilha de sua calça e me mostra sua danada depilada me dizendo que havia depilado com cera e se eu achava que seu noivo iria gostar de passar a linguinha lá...

Certa vez, após o fim de ano, após as confraternizações forcex da empresa, eis que me passam um vídeo via bluetooth, na verdade AS DEUSAS DO ESCRITÓRIO me forçaram à aceitar esse vídeo escroto...

Baixei aquela porcaria contra minha vontade e para minha surpresa ao tocar o play eis que me deparo com uma filmagem em smartphone em que apareciam umas 3 atendentes de telemarketing, 2 garotos gays e a gestora e supervisora todos numa cama de motel numa surubha frenética, pelo que entendi quem estava filmando era o bombeiro civil da empresa. A suruba havia se consumado após a festinha de fim de ano da empresa e todos foram para um motel barato da Avenida Ipiranga.  Tinha dildos, chuva de leite nas bocas, aranhas brigando, tribadismo frenético, gente bêbada e muita zueira. Quando começou uma cena em que alguém introduzia uma sucuri semi broxa num traseiro peludo eu deletei o vídeo e sai da sala nervoso sob as risadas da mulherada e da baitolada...

Nem preciso dizer que esse setor faliu em alguns meses pois a produtividade nele era quase ZERO! Era uma célula teste que foi por água abaixo por causa do clima absurdo e sem noção que reinava ali.

Fiquei aliviado por ter sido transferido para outra célula com pessoas mais normais e focadas no trabalho e não mais precisar todo santo dia ter que falar ao entrar pela porta: "Bom dia vhaga-bhundhas!"

Att Gerson Ravv


    Humor 








Read More

sábado, 11 de agosto de 2018

A tristeza de ser um infeliz que trabalha nos finais de semana e feriados

19:22 17

Trabalhar no fim de semana e feriado faz mal para a mente, o corpo e o bolso!

O mundo era mais feliz e PRODUTIVO quando somente serviços essenciais funcionavam nos fins de semana.


Olá amigos do blog, como sabem, estou tirando umas férias após pedir demissão de um emprego chato em uma empresa de Tecnologia da Informação aonde não existia a palavra "folga".

Lembro quando eu era criança nos anos 80 que nos fins de semana, pelo menos aqui no bairro, somente a padaria abria e fechava ao meio dia, as bancas de jornais nem abriam, as lojas de roupas, calçados, oficinas e bazares fechavam na sexta feira às 16 horas e somente voltavam à abrir na segunda feira de manhã. Nem preciso falar que as fábricas e fabriquetas que abundavam por aqui seguiam o mesmo esquema: fim de semana era sagrado, de verdade.

Isso criava um clima muito gostoso, do tipo, já na sexta feira a gente sentia o ritmo das pessoas diminuindo ao nosso redor, a neurose urbana ia perdendo força, as pessoas ficavam mais felizes e tranquilas, os vizinhos sentavam nas calçadas para conversar, tomar uma cervejinha, jogar baralho, escutar música brega estilo Fuscão Preto nos sons, a mulherada se reunindo para fofocar,  contar segredos sexuais, a criançada brincando e brigando nas ruas e vielas, todo o comércio fechado, todo mundo relaxando e se divertindo, ninguém apressado por ai e nem olhando para o relógio ou smartphone como um zumbi escravo.

Já no Domingo era dia de reunir a família (ainda existe isso hoje em dia?), avós, tios, tias velhas, primos e primas vinham fazer visitas na hora do almoço criando aquele clima legal e divertido de surpresa e alegria. Depois ficava todo mundo pestanejando nos sofás, camas ou no tapete mesmo até irem embora por volta das 17 horas, depois, com aquela vinheta do programa dos Trapalhões ou a vinheta do Fantástico os adultos e crianças sentiam uma pontinha de depressão pois essas vinhetas anunciavam o fim da folga e o começo de mais uma semana de trabalho e estudo.

Na segunda-feira, todos se sentiam plenamente recarregados, o corpo descansado e cheio de energia, a mente limpa e leve, tudo funcionando 100% e o melhor: a consciência coletiva ou seja lá o que seja isso, todas as mentes sintonizadas na mesma vibe criavam um clima bom de volta às atividades rotineiras da semana.


O estigma de ser um fracassado que trabalha nos fins de semana


Hoje meus amigos, praticamente querem acabar com os dias de folga e tem até deputado idiota que sonha em implementar leis que exterminem os feriados.

Um pobre coitado que trabalha nos fins de semana ou que só folga um único dia na semana, é estigmatizado por todos ao seu redor que ainda conseguem folgar no sábado e domingo:

*você é excluído das reuniões familiares;

*amigos e parentes nunca te convidam para aquele passeio legal na praia ou outro lugar;

*parentes que trabalham no dias úteis te olham com pena, tipo: "Pobre coitado! Esse estudou só para ser escravo dos outros! Que lixo de vida!";

*quando você consegue um ou dois dias de folga, geralmente são nos dias em que todos estão trabalhando; 

*você se sente um lixo após a folga, um único dia de folga não é suficiente para repor as energias consumidas pelo cortisol e stress massacrantes que sofremos hoje em dia nessas empresas de merda;

*quando você começa à relaxar, sair daquela vibe neurótica, você olha no relógio e chora ao ver que tem somente mais algumas horas de descanso no seu único dia de folga e amanhã o inferno recomeça;

Trabalhar hoje em dia já é um saco, no fim de semana então nem se fala...

Clientes e usuários de fim de semana usam as lojas e serviços como consultório psiquiátrico

Quem trabalha nos finais de semana e feriados sabe que os clientes chinelões e usuários idiotas que enchem o saco nesses dias, usam os analistas, atendentes e vendedores como se fossem seus psiquiatras, as lojas, super mercados, farmácias e calls centers de empresas de TI viram verdadeiros hospícios onde esses inúteis desses clientes despejam todas suas neuroses e frustrações em cima dos pobre infelizes que tem que bater ponto de trabalho nos sábados, domingos e feriados.

Parece que essa galera que gosta de ir às compras nos finais de semana saem de casa nesses dias prontos para fazer barraco por qualquer coisa, ficam sismados com o atendimento prestado, ficam paranoicos achando que estão de má vontade quando na verdade, o pobre vendedor ou analista apenas está exausto, sentindo o corpo e a mente moídos por estar à 6 ou 7 dias fazendo a mesma atividade chata e rotineira sabendo que não vai receber hora extra ou adicional.

Clientes e usuários bhun#dhas sujas de fim de semana possuem uma criatividade além da compreensão humana: pedem coisas absurdas que geralmente dependem do aval de um outro setor que funciona somente nos dias úteis!!! 

É de chorar amigos! O sujeito, o infeliz filho de uma fruta teve 5 dias da semana para adquirir tal produto ou serviço especial com o setor comercial ou financeiro, mas não! O imbecil vai no sábado ou domingo justamente no dia em que esses setores não funcionam nem por decreto papal! E quando você diz que não pode fazer nada quanto à isso: sai de baixo! Vão te ameaçar com processos até a sua quarta geração passada!!! Prepare-se para ser agredido verbalmente ou fisicamente por horas.

Já vi amigos e parentes tomando galho ou perdendo suas família por causa dessa escravidão de trabalhar nos fins de semana e feriados.

Já vi amigos e parentes ficando doentes e tendo que gastar fortunas com tratamento médico por conta do stress e tristeza que sentiam.

Eu por nada desse mundo volto para esse estilo de vida. Nunca vou me esquecer de uma vez em que deu uma merda federal num sábado de feriado prolongado de  5 dias e nós especialistas da empresa tivemos que acionar o gestor pois era um caso que envolvia pagamento de um serviço essencial para a estrutura in cloud que nossa empresa usava: a situação pegando fogo, a gente quase infartando, clientes indo pessoalmente na empresa brigar e nos chingar (meu colega tomou um soco na barriga), e adivinhem onde estava o gestor e os donos da empresa? Estavam curtindo um fim de semana prolongado de badalação num cruzeiro em Miami, comemorando o fim de ano e o fechamento de um contrato milionário com uma estatal...

Enfim, estudem e trabalhem enquanto ainda possuem energia e saco, juntem dinheiro, criem rendas que não dependam de seus trabalhos bruto direto mas não se matem perseguindo a independência financeira, não baixem a cabeça para patrão ou cliente folgado e idiota,  os cemitérios estão lotados de jovens MANSOS, frugais e empolgados que deixaram fortunas acumuladas para terceiros, STRESS MATA, ENGOLIR SAPOS MATA, O CORTISSOL ENFRAQUECE AS FIBRAS DO MÚSCULO DO CORAÇÃO e deixa o cara PANGUADO e lelé da cuca com o tempo.

Desejo para todos um ótimo fim de semana para aqueles que estão de folga e força e paciência para os guerreiros que tem que trampar nos fins de semana. 

Att Gerson Ravv












Read More

segunda-feira, 30 de julho de 2018

Mergulhando de cabeça na realidade

14:33 17

Minha desintoxicação mental do mundo do trabalho digital e tecnológico em ambientes de multi tarefas com muita pressão sobre o desempenho e produção


Olá amigos do blog, como sabem, pedi demissão do meu último emprego tóxico na área de Tecnologia da Informação pois estava saturado e esgotado e precisava urgentemente voltar a viver de verdade novamente.

Passei as últimas semanas mergulhando de cabeça na realidade física, bem longe de toda aquela merda tecnológica, virtual  e infernal do meu emprego.

Senti o Sol, o frio, a natureza, senti cheiro de mato, matas, de bosta de cavalo, bosta de vaca, perfume de frutas no pé e sons lindos e calmantes produzidos pela natureza.

Hoje posso dizer que finalmente me sinto vivo novamente! Aquela sensação horrível e esgotante de estar sempre alerta num mundo virtual, sempre aflito para melhorar meu desempenho e atingir as metas impostas pela empresa, me livrei dessa merda toda! Uuuufa! Como é bom voltar a viver tranquilo amigos!!!

Sinto como se tivesse me libertado de uma prisão mesmo. Me sinto leve e com a mente calma e leve, todas as emoções no lugar novamente. 

Passei alguns dias no sítio do meu sogro na zona rural e lá voltei à ter contato com a REALIDADE.

Andei de bike em trilhas de mata desfrutando das mais belas vistas da natureza, vi animais selvagens em seus ambientes, senti aromas e cheiros naturais de mato, umidade que sobe da folhagem, aromas de frutas e muito mais.

Já em casa na zona urbana taquei a mão na terra e no esterco cuidando dos meus pés de araçás que já estão carregados de flores e dão aquelas pequenas goiabas macias e mais doces que o mel; podei meu bonsai de pitanga que já tem mais de 15 anos; lavei o meu aquário e fiquei por horas observando a quarta geração de peixinhos que crio nele.

Com tanto desenvolvimento tecnológico não é mais necessário se matar de trabalhar tanto como antigamente, mas vivemos o contrário disso: reduzem as equipes, reduzem os salários e benefícios e o trabalho que deveria ser uma benção se torna uma maldição para o homem comum escravo de metas, do relógio e do neoliberalismo. Perdemos contato com a realidade e viramos apenas números virtuais. 



No sítio do meu sogro também comi frutas no pé trepado nos galhos das árvores ou agachado no  chão como um homem pré histórico; cavuquei a terra em busca de minhocas e pesquei muito também passando horas no silêncio observando a lagoa ou rio desfrutando da calma que o som de um rio correndo nos passa.

Andei descalço, pulei em riachos, suei como um porco no Sol, gritei e joguei pedras como um homem primitivo. Peidei e caguei na hora que me dava vontade sem me importar com relógio ou situação. Fiz sexo gostoso na hora que eu queria sem me importar com nada e ninguém (temos um chalé no sítio do meu sogro afastado das outras casas de lá e deixamos nossa filha sob os cuidados deles).

Fiz longas caminhadas sozinho ou com minha mulher, suei pra caramba, senti o Sol na pele novamente, senti o ar puro matinal das matas e me senti como criança novamente e fiquei muito feliz! Meu coração desacelerou e não senti mais aquela angústia que sentia ao ter que fazer mil tarefas ao mesmo tempo em um ambiente virtual lixoso.

Aqui na cidade estou levando a vida livre da paranoia tecnológica, voltei a frequentar bibliotecas, museus, parques, longas caminhadas e conversas com amigos e parentes de forma descontraída. Enfim liberto de um estilo de vida lixo.

Só de lembrar como era um dia típico de trabalho naquele antro de exploração neoliberal me sinto mal:

*tinha que ficar de olho no Skype e WhatsApp pois a comunicação interna toda era por meio dessas ferramentas escrotas;

*ao mesmo tempo em que tinha que corrigir mil bugs de várias aplicações ainda tinha que ficar de olho nos e-mails para responder de imediato alguma questão idiota de algum gerente, gestor ou cliente;

*o telefone não parava de tocar juntos com os apps de comunicação interna: quando não era um cliente enchendo o saco com questões ou pedidos inúteis era alguém internamente enchendo o saco, isso dava uma aflição pois era um olho na tela de códigos, outro na tela de e-mail e a mente de dividindo em várias para poder responder a pessoa no telefone, outras no Skype e outros no WhatsApp;

*eu era obrigado à me dar um auto feed back! Ao mesmo tempo em que tinha de dar conta de todas as tarefas citadas acima, ainda tinha que ficar respondendo questionários extensos de auto feed back, traçando minhas metas de produção e desempenho, comparar com as do mês anterior e ainda fazer um resumo de toda essa merda para depois apresentar para o gestor de qualidade! PQP! VTNC! Que lixo é esse???

*era uma enxugação de gelo eterna: corrigia um bug agora e depois em meia hora surgiam mais cinco bugs diferentes que ferravam com tudo e nem os super especialistas sabiam resolver ou sequer imaginavam  por qual motivo isso ocorria intermitentemente.  

*sempre de olho de relógio é claro que nunca conseguíamos terminar as tarefas do dia e consequentemente tinha se que levar muito trabalho pra casa, um verdadeiro escravo de micro tarefas sem fim e do relógio;

*metas, metas e mais metas de qualidade, de produção, de desempenho, de plano de carreira que a cada mês ficavam mais altas! Eu não suportava aqueles idiotas do setor de avaliação de qualidade em cima de mim me espinafrando noite e dia enquanto eu trampava! Sélouco! Era eu fazendo mil coisas ao mesmo tempo e um babaca com uma prancheta na mão me falando abobrinhas e eu só respondendo "Ahãn! Entendi! Ok! Certo! Ahãn!" Aaaaaaarg! Que vida horrível estamos levando nessas empresas amigos!!!!

Enfim, hoje posso fazer tudo isso e me "libertar" de todo aquele ambiente tóxico por pura "sorte" e um pouco de planejamento, se não fossem os aluguéis que tenho hoje não poderia fazer isso e com certeza já estaria morto ou louco. 

As empresas hoje cobram de mais e em troca pagam de menos, sua qualidade de vida fica um lixo e  no fim, se você não morrer precocemente por causa do stress e péssima qualidade de vida MENTAL que leva, vai se sentir inútil pois nossa sociedade moderna despreza os idosos, fez quarenta anos? O mundo vai virar as costas pra você, por mais que digam não é verdade e que os trabalhadores competentes sempre são valorizados não acredite, meia dúzia de pontos fora da curva não são parâmetros de sucesso para todos.

Somos escravos do neoliberalismo e ninguém percebe isso! Só vejo gente sem noção nenhuma da realidade louvando ou o Comunismo ou o Capitalismo mas nem de longe que vivemos sob esses regimes! As políticas neoliberais estão destruindo o Brasil desde os anos 90 amigos, essa ditadura do alto desempenho, da busca pela alta produção e status faz parte da estratégia neoliberal, é cad um por si e que se fodam os outros, você se mata de trabalhar, se mata em busca do aperfeiçoamento profissional e mesmo que atinge as metas impostas nunca se sente feliz ou realizado pois as metas dobram cada vez que são atingidas e se você fracassa você se culpa à você mesmo! 

Você se auto explora e se auto desumaniza em busca de metas e status que nunca vão te dar a verdadeira realização e alegria humana que é ESTAR EM CONTATO COM A REALIDADE E VIVER NUM RITMO HUMANO E SATISFATÓRIO. 

Att Gerson Ravv







  

  


Read More

sexta-feira, 27 de julho de 2018

Vida e Morte: você consegue encarar as duas de cara limpa?

10:25 6

Nossa incapacidade de lidar com a Vida e a Morte na modernidade


Recentemente ficamos tristes com a morte de nosso grande amigo virtual o blogueiro Viver de Construção, ainda mais que ficamos sabendo que era muito jovem, não tinha filhos e estava já desfrutando da independência financeira após anos de trabalhos e planejamentos.

Esse triste acontecimento nos leva à lidar com um tema que na modernidade é muito pouco lembrado e refletido: a MORTE.

Se nem a vida conseguimos levar e encarar de boa, imagine um evento tão forte como a morte: já vi gente pirando e não voltando mais das doenças mentais após a perda de algum parente ou amigo.

A sociedade moderna esconde algo tão natural como a morte. Somos incapazes de enfrentar perdas e nem a vida como ela é conseguimos levar de boa.

Enxergo esses fenômenos assim: pra mim Vida e Morte: uma Serpente engolindo sua própria cauda, um ciclo sem fim.

O fenômeno de consumo epidêmico de drogas é reflexo dessa incapacidade de enfrentarmos a vida como ela é, diferente do que a grande mídia do entretenimento e indústria do consumo mostra, a grande verdade é que a vida é  transitória, frágil, com muitos momentos chatos, tediosos, problemas terríveis e constantes para resolver, enxugação de gelo persistente e poucos e curtos períodos de alegrias e euforia.

Esse é o mal dessa nossa modernidade em que se prega que tudo deve ser flores e badalação, seremos jovens eternamente, que basta pensar positivamente e com alegria para se ficar eternamente jovem.

Quando a realidade bate no rabo, não suportando encarar a morte, decadência e problemas que nos cercam acabamos por buscar refúgio em drogas, vícios, consumismo e outras aberrações modernas que fazer a fortuna de grandes capitalistas tradicionais e cibernéticos.

Ainda sou da época em que os velhos ou pessoas da família morriam em casa e tinha todo aquele ritual de assistir o moribundo agonizando, fazendo barulhos estranhos na cama, expelindo cheiros estranhos, mudando a cor da pele e por fim morrendo: vi meus avós e alguns vizinhos deixando a vida, minha mãe fazia questão de que eu assistisse esses eventos naturais do fim da vida.

Lembro de ver médicos vindo em casa, todos sérios examinavam o defunto e depois assinavam uns papéis (certidão de óbito) e por fim, davam os pêsames e iam embora. Depois tinha todo aquele ritual de banhar e vestir o morto, o caixão exposto em um cômodo grande da casa, cheiro de flores, choro e depois a viagem final para o cemitério, a quebra de um jarro cheio de água sobre o caixão e por fim, choros, parentes jogando alguns torrões de terra sobre o caixão e fim, vida que segue.

Minha mãe me preparou para lidar com a morte desde cedo, ela que perdeu a mãe bem cedo sabia como ninguém o que é a dor de uma perda e não queria que eu passasse o mesmo sofrimento, dúvidas e medo que ela enfrentou tão cedo, pois como ela mesma dizia, como uma criança tão nova saberia o que era a morte após perder tão cedo aquela pessoa que ela dependia para tudo?

Meu pai era mais radical: quando não estava fazendo alguma merda me levava para cemitérios, principalmente no cemitério São Luís na periferia de São Paulo: lá fazia eu olhar para os mortos, fazia eu sair procurando pelos túmulos ossos esquecidos pelos coveiros após alguma exumação (meu pai sempre foi envolvido com feitiçaria, magia negra e satanismo).




Lembro que uma vez encontrei ossos das falanges de uns dedos, um sacro infantil e uns 3 segmentos de coluna: meu pai me explicava que podiam ser usados em rituais de acordos com entidades do ego ou sei  lá que porcaria maluca, que alguns desses ossos davam para fumar as raspas e assim abrir não sei que sentidos extra sensoriais e outras imbecilidades religiosas. Anos atrás encontramos um crânio de verdade em seu baú e minha mãe fez ele pulverizar e jogar fora. D'us me livre! 

Enfim, desde cedo fui exposto à dura realidade: todos nós iremos sofrer muito e morrer em um ponto de nossas curtas existências. 

Fora que morar na periferia de São Paulo é lidar e encarar constantemente a morte: perdi a conta das vezes que vi cadáveres estirados nas vielas da quebrada, gente mutilada por facões, facas, tiros na cara, na boca, na testa, acidentes terríveis, visões que nem se comparam com as fotos e vídeos que doentes mentais ficam compartilhando nas redes sociais: ver essas cenas ao vivo é bem diferente pois sentimos a tensão no ar, os gritos, os sons do ambiente, os cheiros que os corpos mortos exalam, o cheiro de sangue no asfalto, é bem diferente.

Claro que presenciar toda essa violência real e simbólica na infância trouxeram algumas consequências mais tarde: tive síndrome do pânico e ansiedade aguda entre 17 e 21 mas procurei ajuda médica e nunca mais tive nenhuma recidiva e fiquei muito mais forte mentalmente falando: já apontaram uma arma na minha cara e apertaram o gatilho e nem me mexi: quem ficou assustado e saiu correndo foi o ladrão que não entendeu nada! Devia estar com balas velhas ou pólvora e mecanismo do arma estragadas por isso não ocorreram disparos.

Quando minha mãe morreu não  chorei, pois é, estranho não? Eu que era hiper apegado com ela apenas cuidei dos trâmites legais com  paciência e muita calma, diferente de outros parentes e amigos da família que tiveram até de ser sedados! Sim, fiquei muito triste, mas sabe quando você tem a sensação de que a pessoa cumpriu sua missão e foi na hora certa? Pois é, senti isso.  

Minha mãe me preparou para encarar tanto a vida quanto a morte.

Lembro que quando fui atropelado, no exato período em que fiquei apagado, tive sonhos estranhos e acredito que foram produzidos por causas das drogas que administraram em meu corpo combinados com a adrenalina e cortisol que o organismo produz nesses eventos traumáticos: lembro que tudo fiou escuro de repente, me vi apalpando um muro de tijolos muito alto, esses tijolos eram quentes, uma luz morta iluminava só alguns passos à minha frente, fui indo em frente e então eu olhei uns 6 passos pra frente e vejo uma mulher de vermelho de costas para mim conversando com alguém, viraram pra mim e vi essa mulher triste de vermelho e  o que parecia ser alguém vestido com roupas antigas do século 18, um tipo de casaca vermelha com botões dourados parecida com aquelas pinturas que retratam o Napoleão Bonaparte ou aquela casaca que o Jimi Hendrix usava,  mas seu rosto era nada mais que uma caveira horrível, não fiquei com medo, apenas fiquei curiosos tentando entender aquilo, desde pequeno gosto de caveiras, crânios e etc, depois só lembro de uma mão descarnada tapando meu rosto e pressionando minha cabeça contra o muro e foi então que depois de uma explosão igual a de uma pancada na cabeça acordei todo ferrado na pista sendo atendido pelo resgate. Incrível como nossa mente interpreta eventos traumáticos externos sofridos pelo corpo e traduz isso em nossos pensamentos usando nossas memórias e conhecimentos.

Aqui na periferia morre muito mais gente jovem do que gente velha, perdi muitos colegas e amigos de infância das mais diversas maneiras e situações macabras e violentas, eu mesmo quantas vezes não me vi frente a frente com a morte em forma de ladrão?

Hoje com 40 anos me considero um sobrevivente dessa selva caótica, meninos de classe média que nasceram em condomínios que tem nomes franceses não fazem ideia do inferno que é nascer e crescer na periferia de uma grande cidade neurótica como São Paulo pois só saem de casa protegidos nos carros de seus papais e mamães. Minha irmã que morava em um condomínio de luxo em outra cidade e percebendo que seus filhos estavam virando grandes bundas moles decidiu se mudar para perto da minha casa para que eles aprendam um pouco sobre a realidade, aqui hoje em dia está calmo se comparado com 20 ou 30 anos atrás mas mesmo assim não deixa de ser tenso viver aqui.

Enfim amigos, essas foram minhas reflexões sobre nossa incapacidade de encarar a vida e a morte e confesso que a vida se mostra muito mais difícil e traumática de se enfrentar do que a morte, pelo menos esse é meu ponto de vista e experiência.

Att Gerson Ravv


Read More

quarta-feira, 4 de julho de 2018

Caindo fora da TI - Pedindo demissão novamente - TI Nunca mais!

19:06 31
Chega! Cansei e estou completamente enojado com essa tão famosa área conhecida como "Tecnologia da Informação" que deveria ser chamada de "Tecnologia da Exploração".

Pedi demissão novamente.

Estou numa idade em que preciso priorizar minha própria vida, família e convicções. 

Infelizmente, a área de TI no Brasil é uma piada: as empresas pagam salários ridículos e praticamente decretaram o fim de dias de folga. Não estou brincando amigos: desde 2016 que nunca mais vi um cargo da área em que o funcionário folgasse dois dias seguidos.

Como a galera aceita isso caras??? Trabalhamos quase 10 horas por dia, sem contar as horas perdidas no trânsito, e o FPD ainda fazem a gente trabalhar nos fins de semana!!!!

Não aceito mais isso, chega! Não quero mais isso pra minha vida. Cansei. 

Se pelo menos pagassem bem, mas nem isso amigos! Agora só pagam parcelado esses dias extras que se tornam rotina pois TODO FIM DE SEMANA NOS OBRIGAM A TRABALHAR EM NOSSAS FOLGAS. Isso quando não inventam um esquema maldito de banco de horas e pagam com entradas mais tardes de 2 horas ou saídas de 2 horas mais cedo...

E o stress que passamos? E os sapos que engolimos? E o nervoso que a gente sente trabalhando nesse país de merda em que tudo que é relacionado com tecnologia mal funciona e quando funciona é de um modo capenga, porco e mal feito por causa da estrutura precária das telecomunicações e burocracias escrotas.

Cuidado: TI => área lixosa e venenosa para seus neurônios e desenvolvimento pessoal


Tenta subir por Azure um sistema completo que vai funcionar na nuvem para você ver a raiva que você vai passar com a lentidão de upload e muitas vezes tentar mais de 3 vezes porque a conexão cai ou perde pacotes ou os imbecis que alocaram o espaço no cloud fizeram alguma merda lá disponibilizando menos recursos que os necessários por falta de comunicação entre as equipes. 

E nesse stress todo seu telefone e whats app apitando sem parar: é o gerente, o gestor e os clientes rosnando e te xingando cobrando o sistema maldito que já deveria estar online e não há nada que você possa fazer para apressar o processo...

Não entendo essa cultura de fazer tudo os que os clientes/usuários querem 24 horas por dia!!!! Eu juro que nunca mais volto à trabalhar com essa área escrota e lixosa.

Eu quero ser um desgraçado, maldito e infeliz se eu me pegar novamente fazendo plantão de madrugada para atender imbecis que querem mudar cor de botãozinho da aplicação do sistema ou personalizar a merda lixosa dos algoritmos de buscas e otimização que precisam fazer em seus sistemas idiotas!

Quero que esses usuários e clientes imbecis vão todos para o inferno, para a PQP, VTNC, VSF, seus lixoooooooooooooooooooos! Vocês não tem vida não seus merdas? Você não tem família não? Desejo de coração que enquanto vocês ficam enchendo o saco dos plantonistas o Ricardão esteja prestando suporte ginecológico no banco de dados e sistemas das suas esposas. 

Nunca mais na minha vida vou me sentar na frente de um computador novamente para trabalhar. 

Penso que somente áreas com a da saúde e segurança por exemplo, deveriam funcionar 24 horas por dias. Na minha opinião, nem bares, botecos e restaurantes deveriam funcionar 24 horas ou deveriam ficar no máximo abertos até as 22 horas e só. 

Sabem qual é o problema? As pessoas estão super mimadas e querem tudo na hora que desejam, não sabem mais esperar, não sabem mais ter paciência, e com isso, vai tudo ficando precarizado: o trabalho, as relações de trabalho, a vida, a família se desfazendo, tudo por causa dessa MANIA DE VELOCIDADE, DE QUERER TUDO NA HORA como se a VIDA FOSSE IGUAL UMA CONEXÃO DE BANDA LARGA...

Isso seus lixos, vivam suas vidas loucas, vivam sem limites, acreditem nessas merdas cinematográficas que a vida é colorida, cheia de aventuras emocionantes, que vocês devem ter tudo o que desejam na hora que quiserem, vivam sem descanso, vivam sem tempos para passarem com vocês mesmos...

Vou viver frugalmente novamente,  somente de meus aluguéis, infelizmente vou dar um tempo nos aportes da Bolsa, vou apenas ir reinvestindo os dividendos que for recebendo. 

Vou tirar uns 30 dias de férias, vou me desligar de tudo que cheire a computação, tecnologia, informática, etc. CANSEI DESSA BOSTA TODA. 

Depois, quando minha mente estiver normal, mais calma, desintoxicada dessa área tóxica e destruidora de neurônios, eu pretendo trabalhar em um emprego BRAÇAL e bem simples, não estou nem aê para status. 

Acreditem no que eu falo amigos: o stress que passamos em qualquer área da TI mata neurônios tão rápido quanto o crack ou cocaína, e o pior: os pequenos êxitos e pequenas vitórias que conquistamos nessa área lixosa VICIAM igual droga e ficamos iludidos e cegos nos destruindo em busca de "melhores cargos, status", "mais conhecimentos" e mais responsabilidades, porém, garanto pra vocês: quanto mais você sobe na área de TI mais atarefado, cobrado, estressado e ferrado você fica.

Aprendem algo: dinheiro nenhum do mundo paga sua PAZ DE ESPÍRITO e SAÚDE MENTAL.

Até mais amigos leitores, desculpem o desabafo desse pobre explorado e indignado cercado de gente que aceita tudo sem falar ou fazer nada, por isso que tudo vai de mal à pior aqui no Brasil, é cultural essa inversão de prioridades: para assistir os jogos da copas na empresa a galera se une com uma energia, gestão e disciplina de fazer inveja para um soldado alemão, agora, para protestar contra o não pagamentos das horas extras, o aumento abusivo das horas trabalhadas e os assédios morais dos gestores e clientes fica todo mundo olhando pro chão ou fazendo cara de paisagem com se nada estivesse acontecendo. CULTURA LIXOSA!!!!!!! 

Att Gerson Ravv







Read More

sábado, 30 de junho de 2018

Minha Carteira de Investimentos

19:09 11

Um pequeno investidor na Bolsa e sua carteira: obrigado blogosfera!


Olá amigos, segue abaixo a minha atualização de carteira de investimentos!

Espero que gostem e que sirva para que os iniciantes tenham vontade de aprender sobre investimentos visando o longo prazo pois nosso país precisa de gente que POUPA enquanto a massa iludida e acéfala se diverte e GASTA e se ENDIVIDA como se não houvesse o amanhã!

Nos últimos meses andei comprando mais ações da AMBEV, SLC AGRICOLA, AES TIETE e da ITAUSA4, aproveitando essas quedas que ocorreram nas últimas semanas.

Optei por Itausa4 porquê tenho uma estratégia própria que vai casar muito bem com a Itausa4 PN.

Estou focando na AMBEV porque fiquei sabendo algumas coisas interessantes sobre a empresa e fiquei muito otimista! Com certeza AMBEV vai nos render muitas alegrias para depois do semestre e depois dessa COPA idiota e inútil. Aguardem amigos sócios da AMBEV!!!!

Também aproveitei e investi uma mixaria num CDB de um banco médio para resgatar daqui 1 ano somente para testar e ver qual é desse tão famoso CDB, se der retorno, eu vou investir mais pesado em  CDB no futuro. 

Segue a screen shot da minha carteira atualmente, decidi que não vou postar valores aqui, mas no futuro vou postar a rentabilidade que estou tendo em porcentagens. 


Só tenho que agradecer aos blogueiros! Em especial para o VIVER DE CONSTRUÇÃO e para o MESTRE DOS DIVIDENDOS pois sem eles e seus blogs eu jamais teria tomado a iniciativa de começar a investir na BOLSA. 

Digo para vocês: saiam dos blogs cheios de ódio e papagaida sobre relacionamentos e sigam esses dois blogueiros ai em cima que vocês vão aprender muito! Os caras são experientes e sabem o que dizem, fora que cada texto deles é uma enciclopédia sobre investimentos para iniciantes e experientes.

Estou à pouco tempo na BOLSA mas estou super feliz quando vejo DIVIDENDOS e PROVENTOS pingando na minha conta todo mês! É uma sensação muito boa amigos! 



Eu que venho do mundo das criptomoedas desde meados de 2012 estou achando o mundo da BOLSA bem mais tranquilo de operar, e ainda mais que meu foco é longo prazo, está tudo tranquilo, nem ligo quando algum conhecido fala que "a bolsa despencou hoje!". 

Aos poucos estou definindo minhas estratégias, estou lendo muito sobre investimentos e prospecção de empresas boas para investir, estou aprendendo cálculos sobre rentabilidade e também aprendendo à ler os relatórios da empresas e dados  sobre lucro, prejuízos e dividas delas.

Enfim, desejo um ótimo fim de semana e bons investimentos! Esse país aqui precisa de mais poupadores e investidores, chega de funkeiros, badernistas e carpem dies comunistas!

Att Gerson Ravv






Read More

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Papai Lixoso - Meu PaiLhaço

10:51 28

Uma relação de amor e ódio com meu Papai Lixoso


Olá amigos, quem acompanha o blog de milianos atrás sabe que após minha mãe morrer voltei à morar com meu pai...

Minha mãe em seu leito de morte pediu para que eu cuidasse dele pois ele sempre foi um irresponsável em matéria de administrar uma casa e cuidar de si mesmo, apesar de sempre ter sido um homem viciado em trabalho.

Confesso que nunca gostei do meu pai desde cedo. Eu temia aquele homem que tinha um temperamento explosivo e que do nada destruía alguns móveis ou objetos em casa quando discutia com minha pobre mãe, o bom é que ele nunca relou um dedo nela, outro ponto positivo nele é que NUNCA ouvi um palavrão saindo da boca dele e nunca gritou comigo e nunca me bateu.

Meu pai era viciado em trabalho e diversão: trabalhava a semana toda e sumia na sexta-feira voltando pra casa somente domingo de madrugada após sabe-se lá onde passou os dias em que ficou ausente.

Lembro que minha pobre mãe se arrumava toda na sexta-feira esperando ele chegar do trabalho, ela chegava do trampo dela quatro da tarde, tomava banho e colocava sua melhor roupa, meu pai chegava, tomava banho, se arrumava como um príncipe cigano, se perfumava e... deixava minha mãe falando sozinha e ia farrear sozinho. 

Meu pai fumava quatro maços de cigarro por dia e virava meio litro de vodca de uma vez e nem ficava tonto ou alterado, parece que ele é imune ao álcool, coisa de louco! Nunca vi meu pai embriagado falando ou fazendo besteira.



Minha mãe era obstinada por comida natural e saúde: fazia dietas, comia alimentos frescos, não fumava, não bebia, praticava exercícios de manhã e dormia cedo, meu pai era o extremo oposto dela. Eu em minha inocência pensava que ele ia morrer cedo por conta de seus hábitos e dieta: meu pai comia e ainda come muita porcaria, come carne crua, bebe sangue de carpa, de boi, de cabra, come peixe cru, enlatados, bebidas alcoólicas e tudo com muito sal e pimenta.

Minha mãe ia todo sábado em sua seita cristã e rezava o tempo todo, já meu pai, frequentava antros de feitiçaria, terreiros de religiões afro e tinha um baú cheio de livros estranhos sobre satanismo, bruxaria, feitiçaria, São Cipriano e já cheguei até a ver bonequinhos de vodu, estatuetas horripilantes de deidades estranhas e garrafas estranhas com animais dentro boiando em líquidos gosmentos todos espetados ou acorrentados. D'us me livre!

Apesar dessas diferenças entre meus pais, raramente brigavam por causa de religião: conviviam numa boa com essas diferenças abismais entre eles! Bizarro! Brigavam mais por causa das mulheres que tinham a ousadia de ir até nossa casa atrás dele!

Eu passei muita vergonha com meu pai: perdi a conta das vezes que indo para a escola de manhã, principalmente quando ele estava de folga ou de férias, meus amiguinhos e eu sempre dávamos de cara com ele pulando a janela de alguma casa após ter comido a esposa de alguém da vizinhança.

Uma vez fui na casa de uma vizinha procurar minha irmã e dou de cara com meu pai fazendo um metelóviskis ardente com a mãe do meu colega de escola: naquele dia ganhei 50 cruzeiros novos e um bonequinho novinho do He-Man estava na minha cama dois dias depois. Nem preciso dizer que fiquei chocado ao ver meu pai peladão com aquele negócio mole, molhando e pingando e a mãe do meu amigo com a chana mal raspada tentando disfarçar e me convencer à não contar nada para minha mãe...

Outro escândalo foi quando minha mãe pegou ele com duas garotas em casa no dia de folga dele, ela saiu mais cedo do trabalho e flagrou a sacanagem, pelo que fiquei sabendo quase todos os móveis do quarto deles foram destruídos: ao invés de darem socos um no outros meus pais costumavam destruir os objetos que estivesse mais próximos enquanto discutiam. 

A sorte é que minha irmã e eu estávamos de férias na casa da nossa avó lá no Sul, só fiquei sabendo disso anos mais tarde ouvindo minha mãe contando isso e ACHANDO ENGRAÇADO com sua amigas!

Minha mãe, coitada, suportava as chifradas do meu pai com uma resiliência absurda! Não sei como ela aguentava aquilo: ela que sustentava a casa, qualquer conta, problema ou reparo que a casa precisava era ela que corria atrás, pois meu pai sempre estava mais preocupado em correr atrás de outras mulheres, farras nos fins de semana e reuniões em seitas estranhas, ele dava dinheiro em casa mas era completamente ausente em termos de administrar a casa e cuidar de todos.

Minha mãe guardava dinheiro e cuidava da casa e da gente, meu pai ganhava muito dinheiro nessa época mas torrava tudo com diversão e farra, dizia que se não fizesse assim enlouqueceria por causa do stress e cansaço que sofria no trabalho: um amigo e ele abriram uma fabriqueta que fornecia não seio que micro peça para grandes montadoras e nessa época ganharam muito dinheiro mesmo, pena que ele torrava tudo e não guardou nada...

Agora vejam que ironia: minha mãe morreu cedo, com umas quatro doenças diferentes e meu pai ficou ai, está hoje desfrutando de 3 aposentadorias, não tem nenhum problema de saúde, parou de fumar tem uns 20 anos mas continua bebendo vodca como se fosse água e comendo lixo como se não houvesse amanhã, ainda possui um verdadeiro harém de vagabundas!

Faz exames a cada seis meses e fica exibindo dizendo que tem mais saúde que eu!

Em seu WhatssApp vejo cada conversa perturbadora que penso: como pode isso? Um velhote desse pegando desde garotas de 20 e poucos anos até velhas de 60 anos! Tudo porque agora possui tempo e dinheiro de sobra...  Claro que ele não é rico, mas se comparado com a massa de homens desempregados, ferrados ou mal pagos, eles está alguns níveis acima em matéria de poder financeiro.

Já dizia o Hermes e Renato: "Mulher gosta de dinheiro quem gosta de peru é bicha!"

Eu falo pra ele: "Mas pai! Você não vê que essas mulheres só querem arrancar dinheiro e favores de você? "

E ele me responde: "Problema delas, apenas quero a saúde e juventude delas pra me manter vivo e saudável, dou uns presentes pra elas que nem me fazem cócegas no bolso... Idiota é você que já está em seu segundo casamento, errar uma vez é aceitável, mas fazer o mesmo erro duas vezes é coisa de idiota! Você realmente é filho da sua mãe mesmo Gerson..."

Enfim, sei lá! A vida realmente é irônica! Na vida real os moçinhos sempre se dão mal. Pelo menos convivo de boa com ele hoje apesar de ainda achar seus hábitos horripilantes e grotescos. 

Hoje conheço ele melhor, até entendo esse jeito dele de levar a vida, é uma escolha dele. Eu, realmente puxei mesmo minha mãe e é capaz de eu morrer primeiro do que meu pai!

Hoje ele está muito mais calmo, parou de fumar, bebe muito ainda mas com pouca frequência, toca sua guitarra num volume mais baixo do que antigamente, de vez em quando se veste de palhaço e vai fazer palhaçadas, malabarismos e truques baratos de mágica na associação do bairro ou na rua mesmo para divertir a molecada e talvez seduzir algumas vagabundentes entediadas com seus casamentos e maridos ferrados e mal pagos...

Att Gerson Ravv






Read More

domingo, 24 de junho de 2018

Decadência Financeira Mundial - A era da crise infinita?

15:48 33

Será que estamos prestes a viver um apocalipse financeiro mundial? Quem nasceu rico vai morrer pobre e quem nasceu pobre vai morrer miserável?


Amigos, estou chegando na metade da vida e digo para vocês: nunca vi anteriormente uma decadência financeira tão grande aqui nesse país chamado Brasil!

Sei lá, parece que as coisas só pioram todo dia! Não vejo quase ninguém mais empolgado quanto ao futuro.

Cada dia que passa parece que fica cada vez mais difícil economizar e planejar a vida financeira e o futuro. 

O que vejo desde meados do fim dos anos 90 e que vem piorando a cada dia:

*mesmo cortando gastos e economizando no nível mais hard core a inflação vai comendo nossas economias;

*quando tentamos fazer render aquelas economias sofridas acabamos por ver os bancos e corretoras comendo mais da metade de nossos lucros com taxas ou o governo levando boa parte embora;

*e para arrebentar a boca do balão, as empresas não pagam mais trabalho extra ou super bem feito com dinheiro ou promoções!

Eu fico pensando revoltado: meus pais conseguiram comprar casas e manter nossas vidas com suas horas extras que eram pagas em dinheiro, eles sequer tinham concluído o primário quando eram solteiros e conseguiram acumular dinheiro através de trabalho extra, e eu hoje com o título de "especialista" em uma área da TI até hoje não vi ainda uma empresa da área que pagasse hora extra em dinheiro, só usam o maldito banco de horas.

Mesmo quando eu trabalhei em outras áreas em outros cargos e funções, NUNCA recebei dinheiro por trabalho extra! Que futuro vai ter uma geração de jovens que além de se vender por tão pouco ainda não recebem em dinheiro o trabalho extra que realizaram! Isso é um escarro na cara do trabalhador! 

Fico imaginando a cena: eu entro no banco e falo para o gerente que pretendo financiar uma casa ou um trator, ele fica feliz e pergunta como eu pretendo pagar as mensalidades, eu então, super sagaz tiro de uma pasta várias folhas de ponto com planilhas do Excel onde podemos ver  milhões de horas extras que me devem como banco de horas nas empresas em que trabalhei ao longo da vida...



A gente assiste esses babacas vendedores de ilusões (cursos) falando que a saída é o empreendedorismo e a inovação... Mas como empreender nesse país lixo em que tudo é taxado e se a gente tenta registrar uma patente ou uma simples marca-logotipo enfrentamos uma burocracia insana e temos que pagar taxas absurdamente altas! 

Para vocês terem uma ideia, fui registrar uma patente de uma aplicação e uma logomarca: o processo ficou em mais de 6 mil reais! SEIS MIL REAIS!!!!! Só para um bando de funças chimpas que não entendem nada de tecnologia darem um carimbo e certificado válido por apenas 10 anos e que uma vez expirado temos que refazer todo o processo idiota novamente. Lixo!

Vejo na minha rua em que moro essa ilusão de ser um microempreendedor: nos últimos 5 anos cansei de ver dezenas de microempreendedores abrindo seus negócios e falindo, um seguido do outro, aqui ao lado tem uma casa em que acabaram de abrir uma ótica que antes já foi: pizzaria, lanchonete, hamburgueria, loja de cosmético, mini-mercado, puteiro e até igreja evangélica, todas quebraram em poucos meses. 

Os que conseguem se manter sobrevivem no esquema de roer uma unha enquanto a outra cresce, empreendedorismo de subsistência. 

Meu inquilino empreendedor é um exemplo: ele me mostra sua folha de impostos e eu fico louco de ver o quanto o governo lucra com tributação! Cadê a minha parte! Cadê o retorno dessa fortuna roubada de nós???

Eu nem me admiro mais quando um conhecido meu com seus quase quarenta anos vai embora do Brasil se aventurar num intercâmbio pra lá de duvidoso em um país semi-pobre da Europa ou da Ásia... Aqui não temos mais esperança de bons tempos e quando a esperança morre meus amigos, fazemos qualquer coisa para te-la de volta, até ir embora para outro lugar e viver fazendo coisas ou trabalhos que somente um analfabeto completo aceitaria fazer.

Desculpem pelo texto tão baixo astral amigos, mas sei lá, estou cansado. Não aguento mais ver tanta desesperança e desvalorização do trabalho...

Estou farto de receber ligações nos dias de minhas folgas e ter que ir trabalhar mesmo sabendo que não receberei aquelas horas sofridas em dinheiro. Banco de horas pra quê? Pra cair morto na cama e somente conseguir se levantar 24 depois de se recuperar a mente cansada? 

E isso não ocorre somente na área de TI não amigos, as empresas estão com equipes reduzidas e por isso sobra trabalho pra fazer, tenho amigos contadores que teoricamente deveriam trabalhar somente nos dias úteis mas vivem o mesmo drama e exploração que eu, meu primo por exemplo, já está quase perdendo sua mulher por conta disso, de nunca estar em casa nos fins de semana e somente pagam seus bancos de horas na SEGUNDA FEIRA quando sua esposa e parentes estão TRABALHANDO...

Tive um patrão que nasceu rico mas estava empobrecendo rapidamente: ele me mostrava as fotos dos bons tempos em que sua família tinha cavalos, fazendas e lojas nas áreas mais nobres de São Paulo, ele, coitado, fazia de tudo para manter sua única loja ainda aberta de pé. E o cara não fez nada de errado, muito pelo contrário, trabalhava até mais que a gente que era empregado, por causa da burocracia, justiça trabalhista corrupta e fiscalização inútil, sua família foi perdendo a riqueza acumulada gradativamente. Lembro que uma de suas empresas que mexiam com outdoors foi à bancarrota quando um prefeito idiota impôs a lei da "cidade limpa": foram centenas de empregados desse meu patrão para a rua da amargura aqui em São Paulo.

Bom final de fim de semana amigos, nem tive folga essa semana novamente... Estou aqui no Home Office, finalizando minha jornada de quase 48 horas (comecei sábado 17 horas e terminei agora), exausto, cansado, com a mente girando, nem sei como consegui escrever esse texto aqui, acho que a raiva desperta minha criatividade, mas o pior mesmo, é saber que não vou receber essas horas extras em dinheiro, sabe-se lá quando vão me pagar.

Att Gerson Ravv 












Read More

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Bitcoin Crash

17:13 15
Esse texto é somente para dar um alerta final para os cripto-otarios:  

VENDAM TUDO OU VOCÊS VÃO SE LASCAR!!

Bitcoin é fraude! É insustentável! É migué pra tirar dinheiro de vocês! Apenas uma bolha! Um cassino com uma conta de luz muito alta! Diga não ao Bitcoin! Boicote as criptomoedas! Saiam desse esquema lixoso!  Att Gerson Ravv
Read More

domingo, 17 de junho de 2018

Pequenas Seitas & Grandes Negócios

19:28 14

Rompendo de vez com as religiões institucionalizadas!


Olá leitores! Tudo bem? Hoje vou tratar de um assunto que muito me incomoda: RELIGIÃO.

Sempre fui muito introspectivo, meditativo e vivia mergulhando em minhas meditações sobre minha vida, o mundo e demais assuntos humanos. Essa minha característica me levou naturalmente à tentar buscar conhecimento nas religiões criadas pelos homens...

Minha mãe frequentava uma seita e apesar de eu praticamente ter nascido lá dentro, com 6 anos de vida eu já torcia o nariz e esperneava para não ter que ir lá: detestava aquele lugar chato, com gente feia, pobre e ferrada, gente que ficava gritando desesperadamente por salvamento espiritual, cura de doenças ou prosperidade financeira... Nem gosto de lembrar! O rejeito da sociedade e a imagem do fracasso pessoal a gente via lá...

Com 10 anos eu já não ia mais nessa seita e graças aos céus, minha mãe, muito mente aberta nem ligava e não pegava no meu pé. Mesmo assim eu rezava várias vezes por dia, rezava para agradecer os momentos felizes, rezava ao enfrentar dificuldades e era algo simples: somente eu e minha mente, eu meu "D'us" particular, acima de tudo, sempre procurava agir no mundo com bom senso e moderação, simples assim...

Mas mesmo assim, eu sentia falta e necessidade de praticar rituais ou práticas em grupo.

Um dos primeiros livros que li no primário e que marcaram meus modos de encarar o mundo e os homens


O Líder Pilantróviskis 

Essa seita que minha mãe frequentava tinha líderes em cada uma das comunidades em que se erguia um local de reunião de seus membros, lembro que o da minha mãe era um tiozinho muito carismático e com tremendos poderes sobre sua congregação de fiéis fanáticos.

Para minha mãe e demais fanáticos, era D'us no céu e o líder Pilantróviskis na Terra! 

Certa vez precisei ir fazer um trabalho em um local bem distante, quase já chegando em outro Estado, terminamos o trabalho (estávamos em equipe) quase uma hora da manhã e o único local em que poderíamos comer pelo menos uns tira gosto seria numa boate do bairro chique em que estávamos.

Fomos para lá, enquanto esperávamos as porções para comer, eu escuto uma voz familiar! O cara visivelmente semi-embriagado contava vantagem:

"Meninas! Meninas! Vocês tem que me obedecer hein?! Eu na minha igreja, só dou um olhar e um monte de otário responder amén! Peço dinheiro e me dão tudo! Dou uma piscadela e as cachorrona cai em cima de mim já colocando as calçolas de lado!" 

Eu olho em direção da voz e quem eu vejo? O próprio Líder Pilantróviskis abraçado com duas prostitutas loiríssimas, parecia um comercial de cerveja nos anos 90 a cena...

Pelo que fiquei sabendo, a casa desse líder caiu alguns anos depois em meio à escândalos e brigas feias por poder e dinheiro dentro dessa seita. Minha mãe quase virou ateia nessa época.

Olha o Spinoza ai man! Uso a dialética marxista para analisar a sociedade moderna e sua vida econômica (não sou comunista!) e Spinoza e sua Ética suprem a minha necessidade de meditar sobre os aspectos não financeiros da vida.



Em busca de algo maior e de um grupo me lasquei!

Molecão, eu com minha necessidade de praticar rituais em grupo, fui parar numa comunidade de malucos naturebas semi-escravos de vigaristas gringos...

 Se quiser saber sobre isso, leia aqui: http://www.blockchainsupertrader.com/2016/06/uma-aventura-fedorenta-em-harmonia-com.html

Quando vi que era uma tremenda roubada cai fora! Ainda hoje dou risadas quando lembro de um tiozinho maluco dessa comunidade que ficava horas sob o Sol, chuva, frio e chuva com as mãos em formato de concha no ouvido como se tentasse ouvir algo, quando eu perguntava pra ele o que ele estava fazendo ele muito irritado respondia: 

"Silêncio! Seu patife! Canalha! Não escutou? Estou ouvindo os tambores de SHIVA!" Eu caia na gargalhada e falava "Aaaaah! Vai se lascá!" e era duramente repreendido pelos outros fanáticos zumbizóides. Kkkkkkkkkk! Eu era um BRHUEHUE na época em que nem existia isso ainda!

Bom, se você leu o texto do link acima sobre esse relato, já sabe que eu consegui cair fora dessa seita maluca sem danos maiores para minha sanidade e bolso.

Diversas experiências: uma mais broxante que a outra

Quando eu tinha 10 anos minha mãe sabendo que eu pirava com biologia e história, me deu de presente dois livros que tenho até hoje: "A origem do Homem" e  "A origem das espécies".

Mesmo sabendo que a ciência poderia nos dar respostas sobre quase todos os fatos e dados da vida, mesmo assim, eu padecia daquele sentimento religioso de realmente acreditar em algo místico, além do alcance do entendimento humano (sou assim até hoje) e por isso, ia atrás de religiões e seitas que me apresentavam.

Como sou muito observador, logo nos primeiros 10 minutos dentro de grupos religiosos eu já sentia as incoerências e absurdos ocultos naquelas práticas e ideias pregadas por seus membros e líderes...

Vocês tinham que ver: na maior parte dessas seitas ou religiões, vi que o que mais importava eram AS DOAÇÕES que os membros eram obrigados à fazer! Não importava se o sujeito era um asquerozo nojento que descia o cacete na mulher e nos filhos, não importava se ele chegava no local drogado e embrigado, o que importava era que as doações em dinheiro que ele fazia mensalmente eram altas, por isso, os líderes relevavam e passavam a mão na cabeça do safado! PQP! 



Estudo de caso real de um fanático ferrado: Carlitos

Numa seita da vida, eu conheci o Carlito (nome fictício), e passei uns 3 meses observando sua triste vida dentro dessa seita maluca... Carlitos estava me contando que os líderes da seita exigiam muito dele, sempre prometendo mais acesso aos conhecimentos ocultos ou subida para postos mais altos dentro da hierarquia secreta. Eu era apenas um neófito em observação ainda. 

Certa vez desabafando comigo sobre uma situação difícil que ele estava passando, eu acabei por fazer esse discurso para ele:

"Cara! Para com isso man! Eu já tomei a decisão de nunca mais por os pés aqui! Você não percebe que somente querem nosso dinheiro e tempo aqui? Cara! Você já está no terceiro casamento que em breve já vai acabar igual os outros dois pois você nunca tem tempo para sua esposa e filhos! Sempre atrás desse líder que te escraviza! Você não percebe isso? Man, hoje você fez uma pergunta simples sobre aquela prática anual e viu o esporro que ele te deu? Ele te trata como lixo, sempre te prometendo responsabilidades que sinceramente, não sei no que vão te ajudar na vida! Você vive sem um tostão no bolso, dá tudo para a instituição, para com isso man! Você tem família pra cuidar! Olha pra você, não para em emprego porque vive atendendo aos pedidos dos líderes que te mandam ir para alí e para acolá! Eu tô caindo fora porque nesses 3 meses não vi nada de bom aqui. Sai dessa viagem cara, vem comigo, toma as rédeas da sua vida de volta! Toda semana inventam algo para arrancar dinheiro da gente e se a gente não dá passam a ignorar nossa presença ou simplesmente nos excluem das atividades do grupo, isso é podridão cara! Você não percebe a dualidade dos líderes? Nas mídias e redes sociais são de um jeito, aqui entre nós mostram outro comportamento completamente diferente! D'us é mais do que isso cara! ELE está em tudo e todos, basta usar o bom senso e ser ético, cai fora desse lugar de ganância por dinheiro, poder e fama! E aí? Vamos vazar daqui? Vem comigo man?"

Carlitos escutou o meu discurso com os olhos esbugalhados e quando eu terminei, caiu uma lágrima do seu olho e eu pensando que tinha conseguido libertar ele dessa prisão, eis que o figura responde:

"Meu amigo! Você está sendo usado pelas forças das trevas para me testar! Que D'us te abençoe pois sei que mesmo as trevas estão sob o poder de D'us! Agora que vou ficar mais firme na convicção de galgar postos mais altos aqui no nosso grupo! Que D'us te proteja dessas suas ideias malignas!"

E eu pensando que o pobre Carlitos tinha entendido o meu discurdo...

Essa foi a última seita da qual eu fui observar. RELIGIÃO E RELIGIOSOS NUNCA MAIS!


Conclusão: o melhor é estar sozinho em suas meditações e ter como líder o bom senso e a ética!

Outros pontos que eu fui observando ao longo dos anos nessas diversas seitas em que fiz sondagens:

*religião só atrai gente ferrada, fudida e mal paga que tem medo ou preguiça de encarar seus defeitos e limitações pois é bem mais fácil usar como bode expiatório causas sobrenaturais como espíritos ruins, karma ou outra bobagem qualquer.

*seitas atraem muita gente com complexo de superioridade: vi muita gente que se sentia o supra sumo da humanidade somente porque não comia carne ou porque fazia 365 rezas de manhã ao acordar, gente que olhava as pessoas que não faziam igual e pensavam "Vocês não passam de insetos imundos!".

*seitas atraem gente com complexo de inferioridade: cansei de ver membros dessas seitas sendo humilhados, pisoteados e escravizados moralmente, fisicamente e financeiramente por seus pastores, rabinos, mulás, líderes, padres, etc. Carlitos é um exemplo disso: entregava todo o seu salário do mês e vivia de doações, contas vencidas e todo ferrado...

*líderes de seitas e religiões na maioria das vezes são psicopatas manipuladores gananciosos que usam as pessoas inocentes

*tem gente boa dentro das instituições religiosas, mas a maioria de seus membros possuem algum problema mental que seria facilmente resolvido numa clínica psiquiátrica ou de reabilitação, outros bastariam conseguir melhores condições de vida ou um emprego: religião reúne o rebotalho da sociedade, a escória mesmo, os rejeitados que na inocência e desespero de se livrarem de suas dores e problemas, acabam nas mãos de psicopatas gananciosos.

Mesmo assim, não me considero ateu, sinto que há algo que realmente nossos intelectos não podem compreender ou ver, e por isso mesmo, para quê perder muito tempo com isso? Basta seguir o bom senso, a ética e meditar sozinho, só você e seu D'us interior que também segue a ética e o bom senso. Leio muito Spinoza desde meus vinte anos.

Att Gerson Ravv










Read More

Post Top Ad

Your Ad Spot