Meu exame de DNA para verificar ancestralidade - blockchainsupertrader.com by Gerson Ravv

Tudo sobre TI-trabalho-dinheiro-mercado de trabalho-sistema-operacionais-computação e muito mais!

Novidades:

Post Top Ad

15 de mar. de 2020

Meu exame de DNA para verificar ancestralidade

Olá amigos! Hoje venho compartilhar com vocês os resultados que recebi sobre um teste de DNA que segundo dizem, mostra aproximadamente nossa ancestralidade.

Confesso que não fiquei nem um pouco surpreso com os resultados, apesar da minha mãe não ter sequer conhecido minha avó, ela costumava dizer que basicamente nossos antepassados vieram da Europa desde tempos remotos e viveram uma suruba inter racial de portugueses do pé cascudo, índios, judeus assimilados e negros.  

De sua parte materna ela se lembra bem de uma avó dela, uma portuguesinha da boca suja que arrumava encrenca com tudo e todos no Recife, já seu pai, meu avô materno, operário de uma usina de açúcar, teria um sobrenome italiano tão grotesco que não fizeram questão de colocar nos filhos, até porque esse avô supostamente italiano, só vivia enchendo o caneco e fazendo coisas caóticas, tanto que morreu cedo de cirrose, dizem que era tão irresponsável que nem casou com minha avó que era apenas uma pobre doméstica.

Meus avós paternos, não tenho praticamente nada dos meus avós maternos em termos de fotos: ambos morreram muito cedo antes dos 35 anos.



Pesquisando registros antigos, usando os nomes da minha mãe e avó, descobri que minha mãe somente foi registrada em cartório, VINTE ANOS DEPOIS DE NASCER! E foi ela mesma quem se auto-registrou com parcas informações que ainda tinha da mãe!

Pelos sobrenomes que achei dos avós maternos dela, batem com os resultados de ancestralidade ibérica e também achei outros parentes antigos hora registrando filhos brancos, hora morenos ou pardos.

Já da parte do meu pai, eu também ouvia dos mais velhos que éramos o resultado de um verdadeira suruba de povos: portugueses, negros, espanhóis, índios e italianos que viveram andando pra lá e pra cá entre o extremo Sul do país, São Paulo, Minas Gerais e finalmente deixaram de ser nômades nos anos 70 e se fixaram definitivamente no estado do Paraná.  

Minha avó paterna de nome Lourdes, costumava contar que era comum no passado, os homens da família se casarem com algumas índias que encontravam pelo caminho de suas andanças.

Minha opinião

Eu sempre me vi como um verdadeiro ÍNDIO, meu cabelo preto e liso, minha pele que apesar de muito branca fica facilmente bronzeada e meu estranho gosto de me embrenhar em matas e florestas desde pequeno trouxe o apelido em casa e na escola de índio que também, foi por muito tempo o apelido do meu pai que sempre andou com cabelos pretos lisos e coberto de colares e miçangas.


Minha mãe me chamava de índio e ela adorava me fantasiar de índios nas festinhas culturais da escola. Não puxei os olhos verdes dela e somente um sobrinho meu, filho da minha irmã nasceu com as características da minha mãe, até o comportamento.


Enfim, vamos às imagens dos resultados do exame de DNA, claro que não se pode dizer que são extremamente precisos, mas realmente bateu com o que eu ouvia falar aqui dentro de casa, mas a verdade é que a maioria de nós brasileiros somos frutos da miscigenação, e isso é muito interessante, se esse processo foi violento ou não, se foi algo realizado com más intenções ou não, tudo que posso dizer e aceitar é que eu sou o resultado dessa mistura de pessoas que vieram para cá e caminharam juntos com os nativos daqui e outros povos de outros locais, temos muito que melhorar como uma sociedade democrática e não é o fator de biotipo ou etnia que deve ser relevante para a melhora do nosso país, mas sim a UNIÃO de todos por melhores condições de vida, mais cultura lazer e respeito entre todos, minimizando assim a violência e corrupção que não deixam o Brasil andar.





Claro que não é 100% preciso mas dá pra quebrar o galho




Minha mãe falava sobre uma idosa parente dela que era negra, tinha quase 80 anos quando minha mãe nasceu, o nome da minha filha é em homenagem à essa mulher de origens africanas.






Magrebe? Vishi! Nunca ouvi falar! kkkkkk!


Enfim, fiz esse teste por curiosidade e no futuro pretendo realizar outro em outra empresa que usa outros bancos de dados para fazer a comparação das amostras de DNA só para tirar uma contraprova pois não dá pra confiar nessas empresas né! KKKKKKK!

Achei interessante mas nada demais, praticamente se for REALMENTE VERDADEIRO esse tipo de teste, comprova o que eu ouvia em casa dos parentes idosos desde criança: sou 100% BRASILEIRO e procuro no meu dia dia por meio de minhas ações, ajudar na construção dessa nação soberana que tem tudo para ser uma potência aqui na América do SUL!

Se meus antepassados fizeram coisas caóticas isso foi com eles, eu sou o responsável agora por não repetir suas ações falhas e seguir em frente em busca do melhor sempre!

Att Gerson Ravv






3 comentários:

  1. Depois eu queria trocar uma ideia com você, disse que gosta de ajudar as pessoas.

    Qual o e-mail? Você nunca responde os meus comentários aqui.

    ResponderExcluir
  2. Fascinante...e pensar que tudo começou com um comentário no Sociedade Primitiva...

    ResponderExcluir

Obrigado por ler o blog! Obrigado por comentar! Show! Compre um dos meus ebooks na Amazon: "Merda Total!" e "Livro Supremo do Analista de Suporte". Att Gerson Ravv

Post Top Ad

Your Ad Spot