Minha desintoxicação mental do mundo do trabalho digital e tecnológico em ambientes de multi tarefas com muita pressão sobre o desempenho e produção


Olá amigos do blog, como sabem, pedi demissão do meu último emprego tóxico na área de Tecnologia da Informação pois estava saturado e esgotado e precisava urgentemente voltar a viver de verdade novamente.

Passei as últimas semanas mergulhando de cabeça na realidade física, bem longe de toda aquela merda tecnológica, virtual  e infernal do meu emprego.

Senti o Sol, o frio, a natureza, senti cheiro de mato, matas, de bosta de cavalo, bosta de vaca, perfume de frutas no pé e sons lindos e calmantes produzidos pela natureza.

Hoje posso dizer que finalmente me sinto vivo novamente! Aquela sensação horrível e esgotante de estar sempre alerta num mundo virtual, sempre aflito para melhorar meu desempenho e atingir as metas impostas pela empresa, me livrei dessa merda toda! Uuuufa! Como é bom voltar a viver tranquilo amigos!!!

Sinto como se tivesse me libertado de uma prisão mesmo. Me sinto leve e com a mente calma e leve, todas as emoções no lugar novamente. 

Passei alguns dias no sítio do meu sogro na zona rural e lá voltei à ter contato com a REALIDADE.

Andei de bike em trilhas de mata desfrutando das mais belas vistas da natureza, vi animais selvagens em seus ambientes, senti aromas e cheiros naturais de mato, umidade que sobe da folhagem, aromas de frutas e muito mais.

Já em casa na zona urbana taquei a mão na terra e no esterco cuidando dos meus pés de araçás que já estão carregados de flores e dão aquelas pequenas goiabas macias e mais doces que o mel; podei meu bonsai de pitanga que já tem mais de 15 anos; lavei o meu aquário e fiquei por horas observando a quarta geração de peixinhos que crio nele.

Com tanto desenvolvimento tecnológico não é mais necessário se matar de trabalhar tanto como antigamente, mas vivemos o contrário disso: reduzem as equipes, reduzem os salários e benefícios e o trabalho que deveria ser uma benção se torna uma maldição para o homem comum escravo de metas, do relógio e do neoliberalismo. Perdemos contato com a realidade e viramos apenas números virtuais. 



No sítio do meu sogro também comi frutas no pé trepado nos galhos das árvores ou agachado no  chão como um homem pré histórico; cavuquei a terra em busca de minhocas e pesquei muito também passando horas no silêncio observando a lagoa ou rio desfrutando da calma que o som de um rio correndo nos passa.

Andei descalço, pulei em riachos, suei como um porco no Sol, gritei e joguei pedras como um homem primitivo. Peidei e caguei na hora que me dava vontade sem me importar com relógio ou situação. Fiz sexo gostoso na hora que eu queria sem me importar com nada e ninguém (temos um chalé no sítio do meu sogro afastado das outras casas de lá e deixamos nossa filha sob os cuidados deles).

Fiz longas caminhadas sozinho ou com minha mulher, suei pra caramba, senti o Sol na pele novamente, senti o ar puro matinal das matas e me senti como criança novamente e fiquei muito feliz! Meu coração desacelerou e não senti mais aquela angústia que sentia ao ter que fazer mil tarefas ao mesmo tempo em um ambiente virtual lixoso.

Aqui na cidade estou levando a vida livre da paranoia tecnológica, voltei a frequentar bibliotecas, museus, parques, longas caminhadas e conversas com amigos e parentes de forma descontraída. Enfim liberto de um estilo de vida lixo.

Só de lembrar como era um dia típico de trabalho naquele antro de exploração neoliberal me sinto mal:

*tinha que ficar de olho no Skype e WhatsApp pois a comunicação interna toda era por meio dessas ferramentas escrotas;

*ao mesmo tempo em que tinha que corrigir mil bugs de várias aplicações ainda tinha que ficar de olho nos e-mails para responder de imediato alguma questão idiota de algum gerente, gestor ou cliente;

*o telefone não parava de tocar juntos com os apps de comunicação interna: quando não era um cliente enchendo o saco com questões ou pedidos inúteis era alguém internamente enchendo o saco, isso dava uma aflição pois era um olho na tela de códigos, outro na tela de e-mail e a mente de dividindo em várias para poder responder a pessoa no telefone, outras no Skype e outros no WhatsApp;

*eu era obrigado à me dar um auto feed back! Ao mesmo tempo em que tinha de dar conta de todas as tarefas citadas acima, ainda tinha que ficar respondendo questionários extensos de auto feed back, traçando minhas metas de produção e desempenho, comparar com as do mês anterior e ainda fazer um resumo de toda essa merda para depois apresentar para o gestor de qualidade! PQP! VTNC! Que lixo é esse???

*era uma enxugação de gelo eterna: corrigia um bug agora e depois em meia hora surgiam mais cinco bugs diferentes que ferravam com tudo e nem os super especialistas sabiam resolver ou sequer imaginavam  por qual motivo isso ocorria intermitentemente.  

*sempre de olho de relógio é claro que nunca conseguíamos terminar as tarefas do dia e consequentemente tinha se que levar muito trabalho pra casa, um verdadeiro escravo de micro tarefas sem fim e do relógio;

*metas, metas e mais metas de qualidade, de produção, de desempenho, de plano de carreira que a cada mês ficavam mais altas! Eu não suportava aqueles idiotas do setor de avaliação de qualidade em cima de mim me espinafrando noite e dia enquanto eu trampava! Sélouco! Era eu fazendo mil coisas ao mesmo tempo e um babaca com uma prancheta na mão me falando abobrinhas e eu só respondendo "Ahãn! Entendi! Ok! Certo! Ahãn!" Aaaaaaarg! Que vida horrível estamos levando nessas empresas amigos!!!!

Enfim, hoje posso fazer tudo isso e me "libertar" de todo aquele ambiente tóxico por pura "sorte" e um pouco de planejamento, se não fossem os aluguéis que tenho hoje não poderia fazer isso e com certeza já estaria morto ou louco. 

As empresas hoje cobram de mais e em troca pagam de menos, sua qualidade de vida fica um lixo e  no fim, se você não morrer precocemente por causa do stress e péssima qualidade de vida MENTAL que leva, vai se sentir inútil pois nossa sociedade moderna despreza os idosos, fez quarenta anos? O mundo vai virar as costas pra você, por mais que digam não é verdade e que os trabalhadores competentes sempre são valorizados não acredite, meia dúzia de pontos fora da curva não são parâmetros de sucesso para todos.

Somos escravos do neoliberalismo e ninguém percebe isso! Só vejo gente sem noção nenhuma da realidade louvando ou o Comunismo ou o Capitalismo mas nem de longe que vivemos sob esses regimes! As políticas neoliberais estão destruindo o Brasil desde os anos 90 amigos, essa ditadura do alto desempenho, da busca pela alta produção e status faz parte da estratégia neoliberal, é cad um por si e que se fodam os outros, você se mata de trabalhar, se mata em busca do aperfeiçoamento profissional e mesmo que atinge as metas impostas nunca se sente feliz ou realizado pois as metas dobram cada vez que são atingidas e se você fracassa você se culpa à você mesmo! 

Você se auto explora e se auto desumaniza em busca de metas e status que nunca vão te dar a verdadeira realização e alegria humana que é ESTAR EM CONTATO COM A REALIDADE E VIVER NUM RITMO HUMANO E SATISFATÓRIO. 

Att Gerson Ravv