Perfil do Cliente Brasileiro - blockchainsupertrader.com by Gerson Ravv

Tudo sobre TI-trabalho-dinheiro-mercado de trabalho-sistema-operacionais-computação e muito mais!

Hot

Post Top Ad

domingo, 3 de dezembro de 2017

Perfil do Cliente Brasileiro

Os piores clientes do mundo - uma análise informal


Olá amigos do blog, tudo bem com vocês e suas carteiras de investimentos?

O texto de hoje será uma análise informal sobre o perfil do cliente médio brasileiro, uma análise simples, baseada nas minhas experiências como micro empresário em minha finada birósca e experiências como prestador de serviços MEI e empregado CLT em diversas atividades de trabalho.

CARÊNCIA AFETIVA: UMA CARACTERÍSTICA BRASILEIRA

Lembrando agora das minhas experiências broxantes com atendimento ao cliente na minha humilde birósquinha e anos e anos de atendimento direto ao cliente, trabalhando como analista de suporte e até (por incrível que pareça!), como analista programador, posso dizer com toda a certeza de que nosso povo sofre de uma carência afetiva abismal...

Como eu vejo clientes afetivamente carentes: consigo enxergar os reflexos da imbecilidade nos traços faciais desses sugadores de energia mental que tagarelam sem parar com a gente


O cliente médio brasileiro sofre de uma imensa carência afetiva: ele entra na loja ou no site do suporte, não para comprar um produto ou obter ajuda, na verdade, ele quer contar uma estórinha triste, discutir sobre política, falar de futebol e até obter sexo casual com quem o atende...

Lixo essa mentalidade do nosso querido povo brasileiro...

Lembro de uma cliente figurinha carimbada que eu atendia numa empresa de TI, eu fazia a ponte entre o DBA e o cliente final, essa mulher não sei o motivo, passou a me perseguir: só aceitava ser atendida por mim e isso se tornou um pesadelo, pois à cada 5 vezes que ela entrava em contato comigo, 4 eram para ficar falando bobeiras e sujeiras sexuais!

Ela entrava na linha dizendo que seu banco de dados estava com bloqueio por excesso de usuários online, eu checava e não tinha nenhum bloqueio e a avisava disso, a cara de pau então, confessava que ligou apenas "Para ouvir sua voz, seu tetinha da voz sensual seu marotão! Meu Viadão NEGRO cor de ébano!", FACEPALM!!!

Depois ficava por minutos falando que fantasiava que eu era NEGRO, igual o B.A. do Esquadrão Classe A e em seus sonhos loucos ela dizia que também fantasiava que eu era um VIADO BISSEXUAL NEGRO e sadomasoquista e no fim me convidava para ir passar um feriado prolongado em sua casa em Copacabana para traçar ela e seu marido médico...  PQP! VTNC!

Era um pesadelo atender essa tia, pois além de ser uma cliente VIP, por mais que eu pedisse foco no problema e atendimento ela sequer me ouvia, apenas ficava falando groselha sem parar.

Também quando trabalhei de suporte help desk, era comum ver colegas mulheres sofrendo assédio e até perseguição física real de malucos e malucas carentes que entravam na linha ou chat do suporte.

As idéias da tia... Se ela me conhecesse pessoalmente iria se decepcionar...


INTIMIDADE FORÇADA: CARACTERÍSTICA 100% BRASILEIRA


Outras experiências ruins que tive, foi quando na minha birósca, entravam clientes que eram completos malucos, mas no geral, quase todos, incluindo os "normais" sofriam de carência afetiva, uma necessidade de fazer amizade comigo, de ser "meu truta", de forçar uma intimidade que não tenho nem com meus parentes!!! AAAAAARGH! Como detesto isso! 

O cliente brasileiro é um horror: ele entra na sua loja, não para comprar uma laranja ou um produto qualquer, ele entra PARA FAZER SOCIAL com você.

Pra mim que sou introvertido, socializar com estranhos, sofrer intimidade forçada é quase como um ESTUPRO MENTAL! Um escarro na minha cara.

Lembro de um cara que de vez em quando aparecia lá na birosca, ele comprava uma porção de AÇAÍ, comia o negócio de pé ao mesmo tempo em que falava comigo sobre futebol (odeio futebol), depois passava para política (não voto desde que tirei o título, abomino politica), depois falava sobre sua igreja/religião e por fim, acabava por falar de seu desempenho sexual e até do tamanho do bacalhau da sua esposa! FACEPALM! Arrrrrgh! PQP! Dava vontade de gritar com ele: "Qual a necessidade desses papos cara! Pega seu açaí e seu troco e cai fora daqui! Me deixe em paz!".

CLIENTE GRINGOS: 100% OBJETIVIDADE E FORMALIDADE 

Tanto em outros empregos quanto nesse em que estou agora, atendo clientes gringos e o perfil e comportamento são completamente diferentes.

Os gringos no geral são OBJETIVOS, respeitam nossa autoridade como ESPECIALISTAS e não questionam e nem ficam com PAPO FURADO.

OS GRINGOS REALMENTE NÃO BRINCAM EM SERVIÇO E LEVAM TUDO MUITO Á SÉRIO.

Apenas informam o problema, compram o produto, deixam a gente trabalhar, agradecem e vão embora, nota 10 esses caras.

Quando mais novo, trabalhei num restaurante de comida texana e muitos gringos de passagem no Brasil passavam lá para matar a saudade da típica comida americana daquele estado, os caras não ficavam de conversinha com a gente, apenas pediam, pagavam, comiam e iam embora, simples e fácil assim.

Agora brasileiro... PQP! Era um saco! Nem gosto de lembrar. Mesmo depois de acabarem de comer, ficavam alugando nossa paciência com papo furado e comportamentos carnavalescos... Lixo...

Minha reação ao ouvir papo furado atrás do balcão da minha birósca ou quando vou fazer levantamentos de dados em campo


Enfim amigos, para trabalhar com comércio ou atividades que tratam diretamente com "clientes", aqui no Brasil, ou você é um mala igual à eles que tem o mesmo comportamento ou então, nasceu com esse DOM divino de aguentar tortura psicológica diária e suportar litros de groselha despejadas em seus ouvidos em doses cavalares.

Gosto muito de ter um negócio, administrar o caixa, dinheiro que sai e dinheiro que entra, porém o meu perfil objetivo e sério, destoa completamente do comportamento do brasileiro médio que precisa se sentir "acolhido, mimado, paparicado e amigão" da pessoa que faz negócios com ele...

Na minha mente quase binária, não consigo assimilar ou entender esse tipo de necessidade afetiva, essa carência que o cliente brasileiro tem. Comigo uma transação comercial se resume em dinheiro pra cá, produto/serviço pra lá e bom dia, tchau!

E vocês amigos? Também se sentem mal quando são forçados à emular intimidade afetiva com estranhos ou socializar de forma carnavalesca com chatos tagarelas que sugam sua energia mental?

Att Gerson Ravv 






  

15 comentários:

  1. Também odeio isso, mas felizmente tenho uma capacidade muito boa de conseguir ignorar várias coisas inúteis e pegar apenas umas palavras chaves e depois repetir e falar é verdade. Em geral sempre concordo com oque as pessoas que não tenho interesse algum em conversar falam, pode falar que querem Bolsonaro ou Lula presidente que estou concordando e falando claro, é a melhor opção que tem. Se eu quiser uma conversa filosófica eu converso com meus conhecidos que trabalham ou passam bastante parte da sua vida em Universidades, ou pessoas que realmente possuem uma base sólida do que estão falando, não um zé que tem toda sua opinião formada vendo as coisas em vídeo e texto de "zapzap" e só sabe repetir opinião dos outros, não sabe pensar por si próprio.
    Sobre carência sexual, felizmente nunca presenciei e espero que nunca conversem comigo sobre isso, provavelmente é porque sou bem novo. De fato os gringos são bem mais diretos, algo que se vê em Americanos e Chineses.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esqueci de escrever que apesar de estar rangendo os dentes por dentro, eu sempre atendia os caras com um sorriso (amarelo) no rosto e nunca tratei mal nenhum deles, mas é dificil, por isso fechei a birósca.

      Excluir
  2. Olha, lidar com clientes é chato, mas menos pior do que lidar com vizinho que fica perguntando sobre sua vida, aqui eu dou cada patada que sou conhecido como o antipático do quaerteirão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei nem o nome do meu vizinho da casa de trás, sempre fui reservado e sempre me esquivo de chatonildos curiosos. Mentalidade brasileira é do tipo indígena onde todos tem que ficar juntos amontoados, brigando, fofocando, fazendo barraco e um cuidado da vida do outro. aaaaaargh!

      Excluir
  3. Me senti meio mal agora. Meu tio tinha uma loja, e quando era mais novo ficava a tarde toda lá batendo papo com ele. Será que pensava a mesma coisa? kkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Parente é diferente man, a gente tem mais intimidade pois são da família, agora um estranho que já chega dando tapão das costas e berrando alto, metendo o mãozão nas suas coisas sem cuidado nenhum e conversando groselha é ruim demais.

      Excluir
  4. Lembrei-me do meu primeiro emprego, porra eu passava maior tempão explicando as novidades das tvs de lcd, as vantagens os recursos e etc. Depois de 20 min tentando fazer a venda a pessoa ia embora e nunca mais voltava. Dava uma raiva tremenda, as pessoas tomavam meu tempo e não comprava nada. Quando passei para o setor de ferramentários era mais tranquilo, já que os piões já chegavam sabendo o que queria. O pior setor que trabalhei dessa loja foi o de brinquedos, nem são as crianças que bagunçam a porra toda, são as mães vadias, as crianças pegam as coisas e botam de volta no lugar, já elas jogam em qualquer lugar. Sem falar que ficavam perguntando sobre brinquedos que nunca eu tinha ouvido falar, perturbando com perguntas idiotas e outras coisas sem nexo.

    Nunca trabalhei com publico gringo, mas me parece menos pior que os chimpas bostileiros.

    Odeio o povo brasileiro!

    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nosso povo é um povo bom com boas intenções até, o problema é essa carência afetiva, essa melação e necessidade de ser intimo dos outros.

      Excluir
  5. Fique sossegado que eu sou do tipo gringo kkkkkkkkk, mas fora esses trantornos com clientes, está dando tudo certo em seu empreendimento Gerson? tá tendo lucro que possa aportar?

    Abraço do Norte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha birósca fechei, meu site: tirei do ar, somente aporto meus aluguéis e vou investindo em criptos entre outros investimentos mais tradicionais, até agora mais ganhos que perdas que são poucas.

      Excluir
    2. Sua exchange compra ltc com real, estou estudando aquisição de criptomoedas, quero iniciar com litecoin, mas não achei conta no brasil que a venda, tudo indica que terei que comprar btc e em seguida transferir para uma conta de fora que vende litecoin, usarei o btc para comprar.

      Excluir
  6. Perfeitas colocações caro Tetinha.

    O bostileiro médio ñ passa de um chimpa pro qual tudo deve girar em torno do social.
    Por inúmeras razões, mas principalmente essa citada desisti do setor privado e busquei meu lugar ao sol em concursos públicos. 100% objetividade desde o processo seletivo.

    No dia q o Estado quebrar pego meu pé-de-meia e vazo dessa banânia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já estagiei no setor público e cara, vou te dizer: o clima das repartições em que fiquei era só fofocaida, picuinhas e brigas de fundo sentimentalóides entre egos feridos e inflados, dei graças aos céus quando o estágio acabou pois o clima era pesado apesar da "moleza" na parte de trabalho burocrático.

      Excluir
  7. A própria sociedade brasileira estimula esse comportamento. O falastrão, amigão de todos que socializa fácil. Aquele que em cinco minutos de conversa parece que te conhece há décadas. Todos acham isso o máximo.

    Ser caladão, reservado e direto nesse país é sinônimo de psicopatia, estranheza e problemas mentais em geral. Bom mesmo é ser falante, ter aquela energia mental infinita pra passar 24 horas conversando sem parar.

    Eu devo ter algum problema porque acho isso BIZARRO. Não consigo ver normalidade em uma pessoa que não pára de falar um minuto sequer. Por isso vemos esse comportamento patético que é gente jogando conversinha mole pro seu lado pra socializar. Claro que fazem isso pensando em obter favores seus futuramente. A velha boquinha que todo mundo sonha, todo mundo quer.

    Já trabalhei com suporte técnico também e ouvia muita abobrinha todos os dias. Muito cliente repetia a mesma história dramática dezenas de vezes e ficava pedindo meu número pessoal, fato que me irritava bastante. Era um teste de paciência. Vc deve ter um jogo de cintura e uma inteligência emocional anormal pra ter aguentado uma situação como a dessa velha tarada. Me dá nervoso só de imaginar.


    ResponderExcluir
  8. Eu e meu marido montamos uma lan house, geralmente eu que faço o atendimento de balcão, e é exatamente isso aí que você falou, infelizmente dar trela pra conversas informais dos clientes faz parte do pacote chamado "bom atendimento", qualquer coisa que não englobe isso, já é caracterizado como ignorância ou coisa parecida. Eu tenho facilidade pra lidar com isso pois tenho muita paciência (Nem todos os dias, mas na maioria sim), e pra comerciante não tem jeito, temos que nos adaptar pro negócio fluir. Em contra partida, sabemos que nós brasileiros somos famosos lá fora justamente pelo "calor humano", eu morei muitos anos em uma cidade turística, e sempre me pareceu que os gringos gostavam dessa intimidade relâmpago enquanto estão sendo atendidos. Então sei la, acho fofo o nosso jeito amigão de ser. Na verdade é caso de amor e ódio mesmo XD

    ResponderExcluir

Comentários liberados, porém, se exagerar e postar discursos de ódio, preconceitos e spam vai levar bam! Att Gerson Ravv

Post Top Ad

Your Ad Spot