Tempo e dinheiro jogados na latrina da crise


Essa semana recebi uma proposta para trabalhar como programador numa grande e famosa TELECOM. A linguagem não era a minha preferida (amo JAVA e detesto PHP) mas o gordo salário compensava e o projeto teria apenas 4 meses de duração no regime freelancer.

Chegando lá no prédio já fiquei assustado: centenas de jovens apinhados numa sala com carteiras escolares em busca de vagas para telemarketing que paga salário mínimo de R$840,00.

Os entrevistadores colocaram os candidatos em buscas das mais diversas vagas TODOS  juntos sem distinção, como num feirão de desempregados...

Toda Telecom faz questão de demonstrar para os candidatos que eles são apenas GADO HUMANO e colocam todo mundo junto na mesma sala, fazem as entrevistas com perguntas pessoais na frente de todos presentes e aplicam os testes e provas de qualquer jeito mesmo...

Tinha gente sendo entrevistadas para vagas de supervisor de callcenter, operador de telemarketing, coordenador de callcenter, estagiários em TI e uns quatro caras e eu disputando uma vaga de programador freela.

Algo que me chamou a atenção foi na parte em que os candidatos às vagas de operador de telemarketing tinham que contar suas peripécias profissionais em outras empresas e suas formações acadêmicas: TODOS os candidatos à vaga de salário mínimo tinham formações em cursos de HUMANAS...

Pelo menos três candidatos chamaram a atenção: os três eram formados em universidades públicas e particulares FAMOSAS e de prestígio internacional no curso de LETRAS E LITERATURA...

Detalhe: esses três foram SUMARIAMENTE DISPENSADOS pelos entrevistadores.

Tempo e dinheiros jogados no lixo da crise.


Como vocês sabem minha primeira graduação foi em LETRAS, sou louco por LITERATURA, sou doido por análise do discurso e linguística, sei das dificuldades de se cursar Letras num curso de longos 4 anos em que as atividades principais são: leitura, pesquisa séria e reflexões.

Você percebem? Algo tão humano e importante para a formação do caráter humano como a língua e a literatura (um país em que a língua e literatura não são valorizados e cultivados é um país fadado ao fracasso e escravização do seu povo pela ignorância), está sendo jogado na lata de lixo da crise.

Não tinha só gente formada em Letras lá, mas também diversas pessoas formadas em outros cursos de humanas e todos SE DIGLADIANDO por uma vaga POBRE para um subemprego precário que paga mixaria como é a sub-profissão de OPERADOR DE TELEMARKETING. 

Não tenham o pensamento infantil e utilitarista de que cursos da área de humanas são inúteis, nosso país é carente de educação e carente de HUMANIZAÇÃO.

O que eu vi ontem na salinha de entrevistas da TELECOM é reflexo de como o país está quebrado, sem recursos para desenvolver atividades relacionadas à educação e conhecimento.

Fica a pergunta: adiantou o governo incluir tanta gente no ensino superior sem cuidar das bases de produção de riqueza do país? O destino de boa parte dos formados em ensino superior num país quebrado é o SUBEMPREGO nos callcenters, não só os formados em cursos de humanas mas também os formados em cursos de exatas. 

E também não acreditem nesse pensamento tacanho e retrógrado de que o ensino superior deveria continuar sendo exclusivista e elitista para assim os salários dos diplomados subir: a quantidade de gente formada no Brasil quando comparada com sua população é PÍFIA e ridícula.

Aprendam isso: seja na USP ou seja em Uniesquinas em qualquer sala aonde o conhecimento é compartilhado e ensinado isso produz mudanças nas pessoas, não em todas, mas essas pequenas mudanças em alguns sujeito podem acarretar grandes mudanças na realidade trazendo bem estar para muita gente, de uma forma ou de outra. 

O problema é que Governo e Empresas corruptas andam de mãos dadas e não estão nem aê para o desenvolvimento geral do país e preferem ficar brincando de especulação financeira e tirando disso muito lucro, e a tendência infelizmente é essa: governos e empresas só querem ganhar dinheiro com especulação financeira utilizando truques e engôdos operacionais em bolsas e planos governamentais fracassados, ao invés de investir em PRODUÇÃO de bens materiais e de consumo,  que todo mundo sabe que produção é a base de tudo na economia.

Enfim, termino aqui esse texto deprimido e de luto pelos talentos jogados na lata de lixo da crise.

Att Gerson Rav     

Fica para depois os texto sobre infoprodutos pois estouj me preparando psicologicamente: infelizmente vou trabalhar forçado no dia da eleição mexendo com aquelas urnas idiotas que apesar de rodarem um SO Linux-GNU não valem nada...