Como a religião idealiza de forma errada pessoas e suas escolhas consideradas "anormais".


Se tem uma coisa que me irrita são essas idéias furadas propagadas com a visão cristã de que todos são semelhantes e que devemos ajudar quem fez escolhas duvidosas na vida...

Vai eu lá na frente do FASANO pedir "uma comidinha grátis" pra ver o quanto eu sou semelhante aos que lá podem comer... no mínimo eu seria expulso aos pontapés pelos seguranças mais bem vestidos e bem nutridos que eu. 

Na época de frio é comum ver essa papagaiada nas redes sociais e na TV fazendo "testes" com atores vestidos de mendigos ou moradores de rua pedindo "abraços" ou ajuda nas ruas em SP.

Defendo sim que o governo deve levar comida, roupas, cobertores e orientações para a população em situação de rua e de vício, mas temos que lembrar que um morador de rua JAMAIS pede ajuda para sair lá da situação deprimente em que ele vive pois para ele isso que nós classificamos como uma existência miserável e desumana, para eles é a PRÓPRIA LIBERDADE SUPREMA. 

Ninguém vai até a casa de outra pessoa e o expulsa de lá tomando todas a suas posses e diz que dalí para frente ele vai viver nas ruas como mendigo ou usuário de álcool e drogas! Parem com isso! O cara que vai para esse estilo de vida está lá porque escolheu isso! É difícil entender isso???

E a pessoa que escolheu a vida louca das ruas regada à droga e álcool também só sai dessa vida quando DECIDIR POR SÍ MESMO à ser ajudado.  

A prova disso que estou falando: aqui na rua onde moro a assistência social com suas VANS vem tentar levar os moradores de rua e viciados que acampam aqui nos canteiros centrais para os albergues e NENHUM deles aceita a ajuda.

Anos atrás morava um simpático senhor da voz mansa aqui no jardim central da rua num barraco feito de madeiras, plástico e cobertores, o tiozinho até tinha um papo interessante e inteligente sobre a vida, trabalho e dinheiro. Não bebia. Não tinha nenhum comportamento anormal,apenas decidiu morar na rua e viver livre como ele mesmo dizia...

Na rua é todo humilde, fala mansa e bonzinho, agora coloca ele sob as regras e leis básicas da civilidade e de um lar...


Certa vez começaram à ocorrer as famosas chacinas (só quem mora na periferia sabe que de tempos em tempos ocorrem essas faxinas de sangue no bairro, os marginais e desocupados sem importância que fazem barulho demais e acabam atrapalhando os negócios ilegais, são eliminados pelos "donos do bairro" nessas chacinas); por causa dessas chacinas meus pais convenceram o tiozinho à passar um tempo em nossa casa...

No primeiro dia em nosso lar o tiozinho aparentemente pacato e inteligente já começou à dar mostras de que por baixo daquela cara de papai-noel bonzinho se escondia um verdadeiro anti-social, psicopata e egoísta ao extremo...

O tiozinho ficou violento e ríspido, paranóico acusava a gente de roubar seus farrapos! Não queria saber de tomar banho e as roupas limpas que meu pai lhe deu ele simplesmente rasgou tudo e pendurou no varal dizendo que era um cata-vento para expulsar maus espíritos! 

O cara se transformou debaixo de um teto! Super egoísta queria ficar assistindo TV o dia e noite inteiros, comia duas colheres da comida e atirava o prato no chão dizendo que estava com gosto de merda, começou a chamar minha pobre mãe de vagaranha e meu pai de trouxa.

Meus pais se arrependeram amargamente de ter colocado aquele carniça em casa e para piorar a situação o tiozinho não queria sair de nossa casa de jeito nenhum! Começou à dizer que a casa era herança da mãe dele e quando os assistentes sociais foram em casa tentar remover ele de lá o safado começou à chorar e dizer que meus pais batiam nele! PQP! Olhem só o que dá IDEALIZAR MENDIGOS e outros que vivem outro estilo de vida...

Por fim, um belo dia o velho safado começou à BATER PUNHETA no sofá na frente de todo mundo enquanto assistia Domingão do Faustão! Tinha umas 6 crianças na sala. Foi a gota dágua para meu pai que pegou o velho pelo pescoço e o atirou no meio da rua com todos seus trapos e tralhas.  Deu um BO sinistro. Meus pais nunca mais quiseram saber de ajudar esses carniças. 

A verdade é que moradores de rua em geral, sejam doente mentais por nascença ou por uso de entorpecente ou até por opção mesmo, são pessoas EXTREMAMENTE EGOÍSTAS e olham para a gente normal como nós como se fossemos insetos, para eles viver de qualquer jeito, sem ter que obedecer nenhuma regra ou convenção social é a realização suprema de suas vidas.

A tal bíblia cristã (novo testamento) é recheada com essas papagaiadas de ajuda INCONDICIONAL ao próximo, que TODOS SOMOS IGUAIS, amor à todos e ajudar o inimigo...

No tempo do Yeshua ( o suposto Messias dos Cristãos) a realidade era outra: quem estava atrás das grades ou mendigando nas ruas eram judeus honestos que NÃO CONSEGUIAM PAGAR OS IMPOSTOS ABUSIVOS do império romano, não eram vagabundos inúteis que parasitavam nas ruas por livre e espontânea vontade, NÃO! Eram pessoas trabalhadoras que tinha perdido tudo nas mãos de cobradores de impostos romanos,logo, ajudar essas pessoas era um dever de todo bom judeu. 

Hoje quem mora na rua ou é louco, doente pelo uso de drogas ou por vadiagem mesmo. Eles estão lá pois não se adaptam à viver sob regras. Não conseguem obedecer rotinas. Não gostam de receber ordens. 

O governo não foi lá na casa do sujeito e enfiou um pino de escama de peixe ou pedra de crack no nariz do cara. 

Podem levar o cara para uma clínica, encher a bunda dele com drogas lícitas para estabilizar suas psicoses, neuras, depressões, loucuras e fissuras: se o sujeito não escolher MUDAR é só sair da clínica e ele volta para a rua com toda sua sujeira e fedor... simples assim.

Certa vez lá na calçada da LOVE STORY no centro de SP, eram oito horas da manhã de domingo, eu estava indo para o plantão no trampo, de repente um cara todo humilde com cara de bonzinho me chama e chega perto de mim como um raio, ele todo humildade diz que está "morrendo de fome" e se eu posso pagar uma coxinha para ele no boteco da esquina, eu ainda atordoado com sono, nem me dei conta do perigo pois a calçada da Love estava CHEIA DE GENTE e  tinha até uma viatura da polícia do outro lado da praça e inocentemente disse para o MENDIGÃO: "Tudo bem, vamos lá no boteco que eu te pago um salgado de boa!".

Pra que eu fui fazer isso? Tão logo atravessamos a rua o NÓIA me saca uma PEIXEIRA (faca afiada com 20 centímetros) e encosta na minha barriga e ainda lembro daquela boca nojenta com cheiro de sei lá o quê (cheiro de ânus sujo esporreado) me falando: "Vou te matar agora! Vou colocar pra fora todas suas tripas!Me dá agora todo o seu salário! Vai gordo FDP!", eu quase me borrei de medo, a visão de uma faca quase fincada na sua barriga nas mãos de um LOUCO sujo e fedorento é de fazer qualquer um desmaiar!

Eu como pobre coitado não tinha nem um tostão em dinheiro vivo e tudo o que tinha era um VR com três reais e cinquenta centavos e um relógio cássio falseta-pirata do Bin Laden.

E quanto mais eu falava que não tinha dinheiro mais o NÓIA arranhava a ponta da faca na minha barriga. Por fim ele enfiou a mão em todos os meus bolsos, pegou meu VR e relógio e quando eu pensei que estava livre ele fala: "Agora seu FDP eu vou te passar AIDS! Vou cortar meu dedo e por na sua boca! Vem cá!" e já ia me preparar para correr quando por SORTE dois policiais de moto chegaram e o NÓIA saiu correndo.

Pelo que entendi alguém que estava saindo da Love Story viu toda a cena do assalto e chamou a PM.

Fiquei muito assustado, pegaram o Nóia mas ele já tinha jogado fora minhas coisas e a faca. O PM me falou que aquele carniça já era conhecido e sempre fazia isso. Depois disso NUNCA MAIS DEI CONFIANÇA pra maluco de rua. Passo longe.

O Gugu Liberato que gosta de ajudar esses carniças já de seu  mau mais de uma vez...

Quem escolhe uma vida SEM REGRAS e hierarquias, quer é desfrutar dessas ilusórias LIBERDADES e não se importa com sujeira, fome, frio ou animalidade.

Devemos exigir que o governo cuide com assistência digna para esse povo que seja por doença, vício ou escolha pessoal decidiu morar nas ruas, mas e quando eles mesmos não querem ajuda? Aê fica difícil pois.  

Att Gerson Rav